O Monte Kurama

 O Templo Kurama (Frank a. Petter)

Desta vez, gostaria de vos falar acerca de uma viagem muito especial que fiz recentemente. Em Setembro, passei uma semana com um grupo de 40 praticantes de Reiki em Kyoto, o local de nascimento do Reiki. Tínhamo-nos encontrado todos no aeroporto de Frankfurt, porque, à excepção de dois de nós, todos éramos Alemães (consegue imaginar tanta seriedade num sítio só?)
Alguns dos participantes nunca tinham andado de avião e nós estávamos de partida para uma viagem de 11 horas com um grupo de estranhos. Esta coragem sensibilizou-me e mesmo apesar de muitos não se conhecerem, o grupo ajudou os que voavam pela primeira vez a relaxar e a divertir-se.
Chegámos ao Aeroporto Internacional Kensai de manhã cedo e fomos logo num autocarro com ar condicionado para o hotel, que estava localizado ao lado da Estação Central Ferroviária de Kyoto. A viagem durou cerca de 90 minutos e durante esse tempo, o guia turístico que foi connosco não parava de falar, nem para respirar. Reparei que alguns dos participantes estavam a ficar um bocado aborrecidos com tanta conversa, mas todos decidimos experienciar esta nova cultura intensamente e com o coração aberto.
O caminho do aeroporto através de Osaka baralha-nos a mente. Parece que não há ordem nas estruturas: casas, fábricas, cabos eléctricos, cimento, carros – camiões, camiões – carros, arranha-céus, campos de basebol, estradas de golfe e muito mais – tudo se mistura e provoca grande confusão nos nossos sentidos.
Exaustos, mas demasiado entusiasmados para nos retirarmos para os quartos, preparámo-nos para visitar o nosso primeiro templo e começou, então, o percurso até ao coração do Reiki. Eu tinha combinado um itinerário rigoroso, tentando encaixar todos os 1600 templos Budistas e os 400 Santuários Shintoístas numa semana… Isto dá quantos por minuto?
Os grandes momentos da nossa visita foram os dois dias que passámos no Monte Kurama onde o Dr. Usui encontrou o Reiki. Como todos sabem, este é o local onde ele teve uma experiência religiosa (Satori – Iluminação), depois de um retiro de 21 dias de jejum/meditação em Março de 1922.
A História de Kurama
O Templo de Kurama está localizado a cerca de uma hora, indo de transporte público, ao norte de Kyoto. Foi estabelecido pelo monge Ganten no ano de 770, para proteger espiritualmente a cidade de Kyoto pelo Norte. O Templo faz parte do Budismo Tendai até 1949, altura em que embarcou no seu próprio caminho – sob as asas do Budismo.
A Filosofia Kurama
As similaridades entre a cosmologia Kurama e a nossa filosofia Reiki são evidentes. A religião Kurama mantém-se juntando três deidades principais. Cada uma dessas divindades é representada por um símbolo Sânscrito e cada um tem uma qualidade interior. Essas três deidades formam uma trindade chamada “Sonten”. O Kanji (letra chinesa) para Sonten é o mesmo que nós usamos como símbolo de Mestre de Reiki – Sonten traduz-se “Força Universal de Vida” (parece familiar?). Sontem representa todo o cosmos e manifesta-se na Terra como amor, luz e poder. Cada uma dessas qualidades contém em si o todo…
Uma das deidades do Templo Kurama chama-se Senju Kannon – o Bodhisattva dos mil braços, uma emanação do Buddha Amida. Esta deidade é representada pela letra Sânscrita “Hrih”. A sua qualidade é Amor e está ligada à Lua. A sílaba Hrih – de origem Sânscrita, deriva do estilo de escrita Siddham – é a origem do nosso símbolo de cura mental.
A segunda deidade é Bishamonten, que é representada por outra letra Sânscrita e representa Luz. Esta deidade é ligada ao Sol.
A terceira deidade é Gohomaoson, uma deidade que se encontra apenas no Templo Kurama – que é representada por uma outra letra Sânscrita que representa Poder. Gohomaoson está ligada à Terra.
Então temos Amor – lua; Luz – sol; e Poder – terra que unifica cada ser vivo, racional ou irracional. O resultado das três manifesta-se como Sonten – o último princípio que existe em todo o lado e existe para lá da religião, raça e filosofia. Torna a humanidade una … e pulsa no nosso coração e na nossa alma.
O Templo Kurama sugere três regras de conduta:
1. Não fales mal dos outros e age com ética. Trabalha contigo.
2. Sê honesto e trabalha para o bem da humanidade.
3. Imerge-te na Força Universal de Vida e confia nela incondicionalmente. Aí, ela transportar-te-á.
Suponho que, entre estas sugestões e os Cinco Princípios do Reiki, cobrimos tudo que é importante na vida. Assim que nos certificamos de tudo isto, o que nos resta a não ser viver a vida com alegria?
A minha história pessoal com o Monte Kurama
A minha ligação pessoal com o Templo Kurama vem de 1994, quando visitei Kyoto pela primeira vez. Esperava ter uma “magnífica experiência espiritual” e desta maneira a minha expectativa provavelmente impediu-a.
Durante essa visita inicial, perguntei acerca do Reiki no portão de entrada do templo e ninguém sabia nada sobre isso. Disseram-me que o Reiki nada tinha a ver com o Templo Kurama e a sua religião ancestral.
Foi uma grande decepção para mim, porque esperava encontrar todo o tipo de tesouros imaginários (mais expectativas…) Mais tarde, nessa visita inicial, perguntei a um dos monges se havia ali um local para meditar e ele disse que não, mas que eu poderia sentar-me um pouco no hall principal para absorver aquela energia.
Mas eu tenho um carácter teimoso. Na minha visita seguinte, perguntei de novo acerca do Reiki e ainda ninguém me disse nada. Depois perguntei acerca da tradição dos retiros de 21 dias e disseram-me que não havia tal tradição no Monte Kurama.
Falei do Dr. Usui e perguntei se era costume, antigamente, fazerem-se ali esses retiros. A pessoa a quem perguntei negou e disse que não o tinham feito no passado e também não tinham planos para o fazer no futuro! Mas disseram que provavelmente o Sensei Usui deve ter-se sentado algures na montanha sozinho.
Lembrando-me disto, outra situação veio à minha visão interior. Anos depois, recebi m e-mail de Inglaterra. A pessoa perguntava-me se eu conhecia um sítio barato para ficar em Kyoto – talvez até acampando. Eu respondi que o gabinete de informação turística saberia dar-lhe informações mais correctas que eu e desejei à pessoa boa sorte. Um ano e tal depois, alguém veio ter comigo num seminário e perguntou-me se eu me lembrava daquele e-mail. O jovem disse-me que tinha sido ele a escrever e que ele tinha colocado a sua tenda precisamente no Monte Kurama!
A vez seguinte que fui a Kyoto, perguntei a um dos residentes do Monte Kurama acerca da estátua de Senju Kannon à entrada do Templo. Ele ficou surpreendido que eu soubesse um pouco sobre a filosofia Kurama. Disse-me que cada vez mais visitantes vinham ao Templo e que todos vinham com um pequeno livro … sim… eu sabia que livro era esse…
Depois desta visita a Kurama Dera, subscrevi a newsletter Kurama (em Japonês) e alguns meses depois descobri um artigo lá publicado por um professor Americano de Reiki. Esse artigo contava toda a lenda acerca de Usui ser um monge cristão e a história da Universidade de Doshisha, etc. Primeiro, fiquei desencorajado, pensando que a verdadeira história do Reiki nunca formaria raízes na comunidade de Reiki e que aquelas antigas lendas continuariam para sempre… Mas depois compreendi que esta era uma potencial abertura.
Telefonei para a secretaria do Templo Kurama e disse-lhes o que tinha lido na newsletter e que fiquei feliz de ter lido sobre Reiki, mas que estava descontente com a parte histórica de tudo aquilo. Ofereci-me para enviar o meu primeiro livro “The Reiki Fire” para esclarecer o que estava escrito incorrectamente no artigo. Também copiei a inscrição do memorial de Usui para o templo Kurama, para que eles descobrissem por eles o que era genuíno.
Para meu espanto, recebi uma resposta e um presente do Templo uns dias depois e uma grande surpresa. Disseram-me que o meu livro tinha sido dedicado a Sonten, o último princípio do Templo Kurama, numa cerimónia. Emociono-me sempre que me lembro disso.
Na viagem seguinte, fui convidado pela Abadessa do Templo Kurama para um chá. Foi uma grande honra que nunca mais vou esquecer. Ela é uma das raras flores que encontrei nas minhas viagens. Leve como uma pena, com uma energia tremenda e uma pureza de coração de outro planeta!
Enquanto falava com ela, vi que as mãos dela estavam inchadas e perguntei, de forma cuidadosa, se ela não se importava que eu lhe desse Reiki. Ela olhou para as mãos e disse “Oh, não tinha consciência disso“ e depois eu dei-lhe Reiki durante cerca de quinze minutos.
Este foi um dos momentos altos da prática do Reiki no Japão, para mim. Outra situação que me tocou igualmente foi quando a minha professora Chiyoko Yamaguchi permitiu que eu lhe desse um tratamento, anos depois.
Ao longo dos anos, visitei o Monte Kurama oito ou nove vezes e, sempre que vou lá, é como regressar a casa. Ainda não resolvemos o mistério da experiência espiritual de Mikao Usui na Montanha – e talvez nunca o vamos resolver. Ainda não é claro onde é que ele se sentou e talvez isso seja uma bênção. A Satori (Iluminação) surge como um presente surpresa do Universo e não pode ser forçada. Mas ainda assim, o Monte Kurama é o nosso lar espiritual e eu sugiro-vos a todos que visitem este local mágico, pelo menos uma vez. A morada do Templo é:
Kurama Dera (Templo)
Kurama Honmachi
Sakyo- Ku , Kyoto, Japan
Frank A. Petter
Tradução de Paula Pinto
Visite
www.reikidharma.com

 

 

O Memorial de Usui

Esta tradução para Português foi feita por mim, a partir da tradução de Hiroshi Doi no seu livro “Iyashi No Gendai Reiki Ho” – “Modern Reiki Method for Healing”.
Hiroshi Doi traduziu para Japonês Moderno e, depois, este texto em Japonês Moderno foi traduzido para Inglês para um Seminário de Hiroshi Doi, em Vancouver, em 1999.
A tradução Portuguesa é livre, não foi feita “à letra”, para tentar respeitar não as palavras, mas sim o significado das frases no texto global e para passar a mensagem real que estava em Inglês.
Leia, então, o que está escrito na pedra tumular de Mikao Usui, no Japão.
“O que podemos compreender naturalmente através da cultura e do treino é a chamada “Virtude” e chama-se “Mérito” divulgar um método de liderança e libertação do sofrimento e praticá-lo. São pessoas de muito mérito e muita virtude que podem ser chamados grandes fundadores. Pessoas que começaram uma nova aprendizagem e fundaram uma nova escola entre sábios, filósofos, génios, etc, cujos nomes remontam a tempos antigos, como todos os que que foram agora mencionados. Podemos dizer que o Sensei Usui era uma dessas pessoas. Ele deu início a um método para aperfeiçoar corpo e mente baseado no Reiki do universo. Ouvindo rumores, as pessoas que gostariam de conhecer o tratamento e de se submeter à cura vinham de muitos sítios. Era realmente muito trabalho. O Sensei Usui, cujo nome popular é Mikao e cujo pseudónimo é Gyohan, veio da aldeia de Taniai, distrito de Yamagata, Prefeitura de Gifu e tem antepassados como Tsunetane Chiba, que teve uma parte activa como comandante militar entre o final do Período Heian e o início do Período Kamakura (1180-1230). O nome verdadeiro do seu pai é Taneuji e o seu nome popular Uzaemon. A sua mãe vinha de uma família chamada Kawai. O Sensei Usui nasceu a 15 de Agosto de 1865. Tendo estudado com muitas dificuldades na sua infância, aplicou-se esforçadamente e foi muito superior em capacidade do que os seus colegas. Depois de crescer, foi para a Europa e para a América, e também estudou na China. Mesmo sendo muito capaz, nem sempre foi bem sucedido na vida. Muitas vezes levou uma vida pobre e desafortunada, lutou para endurecer o seu corpo e mente sem estremecer perante as dificuldades.
Um dia, o Sensei Usui subiu ao Monte Kurama, onde fez penitência e jejum. Subitamente, ao vigésimo primeiro dia, sentiu um grande REIKI sobre a sua cabeça e ao mesmo tempo despertou espiritualmente e adquiriu a cura REIKI. Quando ele tentou no seu próprio corpo e também em membros da sua família, obteve resultados imediatos.
Ele disse “É muito melhor dar este poder abertamente a muita gente no mundo e usufruir dele no meio das pessoas do que mantê-lo exclusivamente nos membros da família”. O Sensei Usui mudou-se para Aoyama Harajuku, Tóqui, em Abril de 1922 e estabeleceu um instituto onde a cura REIKI foi ensinada abertamente ao público e onde também dava tratamentos. Pessoas vinham de muito longe e de perto para pedir o seu conselho e cura e chegavam a formar fila, na rua.
Tóquio teve um grande incêndio causado pelo grande terramoto no distrito de Cantão em Setembro de 1923 quando muitas pessoas ficaram feridas e doentes, em todo o distrito. O Sensei Usui sentiu uma grande ansiedade com o sucedido e partiu para curar, andando pela cidade todos os dias. Nem podemos imaginar quantas pessoas foram salvas da morte por causa da sua devoção. Salientam-se aqui as suas actividades de alívio da dor, nas quais estendia as suas mãos de amor a todos os que sofriam nesta situação de emergência.
A seguir, o seu centro de treino tornou-se demasiado pequeno para receber os visitantes, então ele construiu uma casa nova em Nkano, fora da cidade, em Fevereiro de 1925 e transferiu-se para lá. À medida que a sua reputação crescia, recebia frequentemente ofertas de mais trabalho de todo o país. De acordo com estes pedidos, ele viajou para Kure e Hiroshima, depois foi para Saga e chegou a Fukuyama. Foi na estalagem onde se encontrava que apanhou uma doença abruptamente e faleceu com a idade de sessenta e dois anos.
A sua mulher vinha da família Suzuki e ela chama-se Sadako e tem um filho e uma filha. O nome do filho é Fuji e ele é o sucessor da família Usui. O Carácter do Sensei Usui era gentil e prudente e ele não mantinha as aparências. O seu corpo era grande e robusto e na sua face estava sempre um sorriso. Mas quando enfrentou dificuldades, continuou com uma grande força de vontade e foi perseverante, sendo, ao mesmo tempo, extremamente cauteloso. Era um homem de talentos muito versáteis e também um amante dos livros, tendo bons conhecimentos que iam desde história, biografia, ciência médica, Cristianismo e Budismo e psicologia até à magia dos países das fadas, a arte de maldizer, ciências divinatórias e fisionomia.
Na minha opinião, é evidente para todos que a cultura e o treino do Sensei Usui eram baseados na sua carreira nas artes e ciências e a cultura e treino tornaram-se a pita para criar a cura REIKI.
Fazendo agora uma revisão, compreendo que a cura Reiki destina-se não só a curar doenças mas também a corrigir a mente pela virtude da capacidade espiritual enviada por Deus, mantendo o corpo saudável e ser feliz e próspero.
Assim, ao ensinar as pessoas, é suposto, primeiro, deixá-las entender as últimas instruções do Imperador Meiji e cantar os cinco conselhos de manhã e à noite, para não se esquecerem deles.
Os cinco conselhos são:
1. Não te zangues hoje.
2. Não sejas severo.
3. Expressa a tua gratidão.
4. Sê diligente no teu trabalho.
5. Sê bom para os outros.
Estes são realmente os princípios mais importantes para qualquer civilização, tal como se aconselhavam a si próprios os antigos sábios. O Sensei Usui dizia que “Este é seguramente um processo secreto para trazer a boa sorte e também um remédio milagroso para todas as doenças”, foi isto que ele teve o propósito de ensinar de forma clara e rigorosa. Mais, ele tentou tornar a sua forma de orientação o mais fácil e simples possível, para que tudo fosse fácil de perceber. Sempre que te sentares tranquilamente e juntares as mãos para orar ou cantar, de manhã e à noite, podes desenvolver uma mente pura e essa é a essência para tornar o teu dia melhor. Esta é a razão porque a cura REIKI pode ser divulgada para toda a gente.
Hoje em dia, a vida muito depressa e os pensamentos das pessoas estão aptos a mudar, também. Se formos bem sucedidos em espalhar a cura REIKI por todo o lado, temos a certeza que será muito útil para evitar que as pessoas percam o seu sentido moral. Só levará benefícios às pessoas, curando doenças longas, crónicas e maus hábitos.
O número de alunos que estudaram com o Sensei Usui ultrapassa os 2.000. Alguns mais importantes vivem em Tóquio e juntam-se num centro de treino, tomando conta do seu trabalho, enquanto outros alunos no país também fazem tudo para tornar popular a cura REIKI. Apesar do nosso professor já ter falecido, temos de fazer o possível para levar a cura REIKI ao público para sempre e divulgá-la ainda mais. Ah! Foi grande o seu feito! Dar às pessoas o que ele próprio sentiu e compreendeu, sem limites!
Como resultado da nossa recente reunião e debate doa alunos, decidimos erigir este monumento de pedra no jazigo da família para que traga à luz os seus feitos virtuosos e transmiti-los para a prosperidade; assim, pediram-me para arranjar um epitáfio para o monumento. Como fiquei muito impressionado com os seus feitos meritórios e também pelo calor dos corações dos alunos ao criar a ligação entre aluno e mestre, não me atrevi a recusar o pedido e fiz um esboço.
Assim, espero, do fundo do coração, que as pessoas das gerações futuras não se esqueçam de olhar o monumento com olhos abertos de admiração.
Fevereiro, 1927
Editado por Masayuki Osada, (Oficial do Exército de 3ª, 3ª Ordem de Mérito, Doutor em Literatura)
Escrito por Juzaburo Ushida ( Oficial do Exército de 4ª, 3ª Ordem de Mérito, 4ª Classe de Serviços, Contra-Almirante)

Visite www.reikidharma.com

 

  Site Map