Acupuntura no Congresso Nacional

PL 1549/03

O CONGRESSO NACIONAL decreta:
Art. 1º. A acupuntura consiste na estimulação de pontos e meridianos energéticos com técnicas apropriadas com a finalidade de manter ou restabelecer a saúde.
Art. 2º. São considerados habilitados para o exercício profissional da
Acupuntura:
I - Os possuidores de diploma de nível superior em Acupuntura, expedido no Brasil por escolas oficiais reconhecidas pelo Governo Federal;
II - Os diplomados no exterior por escolas estrangeiras que ministrem disciplinas curriculares equivalentes em conteúdo e carga horária às das escolas de Acupuntura oficiais reconhecidas pelo Governo Federal e que revalidaram seus diplomas de acordo com a legislação em vigor;
III - Os que, na data de entrada em vigor desta Lei tenham diploma de nível superior na área de saúde, tenham feito cursos e estágios reconhecidos pelos Conselhos respectivos;
IV - Os praticantes de Acupuntura com exercício profissional efetivamente comprovado até a data da publicação desta Lei;
V - Os que, na data de entrada em vigor desta Lei tenham certificado de curso livre com carga horária mínima de 600 horas/aula teóricas e 300 horas/aula de prática ambulatorial ou tenham certificado de curso técnico reconhecido pelas Secretarias de Educação Estaduais;
VI - Os que se submetam e sejam aprovados no exame de suficiência junto ao Conselho Federal de Acupuntura, em até cinco anos da data de entrada em vigor desta Lei.
Art 3º. O Congresso Nacional autorizará as entidades competentes a criarem o Conselho Federal de Acupuntura, que será responsável pela fiscalização e supervisão do exercício e da ética profissional, bem como pelo registro dos profissionais.
Parágrafo Único - Nos casos dos profissionais de nível superior das áreas de saúde, a fiscalização poderá ser efetuada pelos respectivos Conselhos, desde que tenham reconhecido a Acupuntura como especialização ou recurso complementar.
Art. 4º. A fiscalização do exercício profissional de Acupuntura far-seá pelos órgãos públicos federais e estaduais das áreas de saúde e educação, pelos Conselhos Federais das profissões de saúde e pelo Conselho Federal de Acupuntura.
Art 5º. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art 6º. Revogam-se as disposições em contrário.



A Acupuntura é uma técnica terapêutica de origem chinesa, sendo praticada há mais de 3.000 anos, consistindo na estimulação de pontos do corpo humano através de instrumentos apropriados com a finalidade de promover e restaurar as funções energéticas dos tecidos e órgão do paciente. Os instrumentos incluem massagem, agulha, calor, ímã, semente e esparadrapo.
Há 50 anos vêm sendo popularizada a utilização de micro-sistemas pelos acupunturistas, como Auriculoterapia, Craniopuntura e Quiropuntura, usando agulhas minúsculas, reduzindo ainda mais a teórica periculosidade das agulhas.
Num trabalho publicado em 2003, abrangendo o período de 1965 a 1999, localizaram no mundo apenas 202 incidentes relacionados com Acupuntura, a maioria irrelevantes. A incidência das infecções ficou muito
reduzida a partir de 1988 devido à introdução das agulhas descartáveis ou individuais.
Em muitos países desenvolvidos, como EUA, Canadá, Inglaterra e Alemanha, a Acupuntura já foi regulamentada como terapêutica multiprofissional.
Para o exercício da Acupuntura, os conhecimentos científicos modernos e os diagnósticos médicos são úteis, vêm para confirmar e apoiar esta valiosa descoberta chinesa. Entretanto, o mais importante é dominar a Filosofia Oriental e o circuito energético. Há 5.000 anos, os acupunturistas fazem avaliação
energética através da conversa, olhar e palpar os pacientes, e assim, executam os tratamentos com grande eficácia, tanto que conseguiram a adesão dos médicos ocidentais.
A Acupuntura tradicional ou energética se propõe a manter a saúde das pessoas normais ou a tratar os distúrbios das pessoas doentes. O bom acupunturista deve estudar integralmente o ser humano nos seus aspectos físico, mental e espiritual. São condenáveis os tratamentos sintomáticos adotados pela
Acupuntura Médica, que considera folclóricas as abordagens filosóficas do Yin- Yang e dos Cinco Elementos, e denigrem a boa imagem da Acupuntura, obtida com muito sacrifício pelos acupunturistas tradicionais.
No Brasil, a Acupuntura foi trazida pelos imigrantes japoneses há 100 anos. Em 1953, Frederico Spaeth, fisioterapeuta, começou a praticar Acupuntura. Os médicos só acreditaram na técnica na década de 80. Os
acupunturistas foram muito perseguidos e alguns inclusive presos, antes como charlatães e a partir 1995, após o reconhecimento da Acupuntura como especialidade médica pelo CFM, por exercício ilegal da medicina. Atualmente, existem no país 25.000 acupunturistas (profissionais de saúde e técnicos) e 5.000
médicos acupuntores. São consistentes os movimentos de organização dos acupunturistas, evidenciando um desenvolvimento profissional da classe no país, e existem desde 1989 sindicatos e federação dos acupunturistas. No Estado de São Paulo e Município de Curitiba já há até o “Dia do Acupunturista”,
comemorado em 23 de março. Os profissionais de saúde tiveram melhor percepção do seu potencial curativo e a reconheceram como especialidade muito antes dos médicos. O COFFITO (fisioterapia) aceitou a Acupuntura em 1985, o CFBM (biomedicina) em 1986, o COFEN (enfermagem) e o CFM (medicina) em 1995, o CFF (farmácia) em 2000, CFFo (fonoaudiologia) em 2001, e CFP (psicologia) em
2002. A discussão sobre a regulamentação da Acupuntura começou na Câmara dos Deputados em 1984, desencadeado pelos médicos Mário Hato (PL3838/84) e Antônio Salim Curiati (PL852/88), continuado por Antônio Carlos Mendes Thame (PL935/91) e terminou com o PL383/1991 de Marcelino Romano Machado, aprovado em 1994, indo para o Senado como PLC67/95. Todos estes projetos apresentaram em comum o caráter democrático social estendendo o exercício da Acupuntura para todos os profissionais da área de saúde, exigindo boa formação dos acupunturistas. No Senado, começaram as discussões sobre
Acupuntura através de Fernando Henrique Cardoso (PL Nº337/91) e houve prosseguimento na CAS a partir de 1995 com o PLC67/95, relatado por Valmir Campelo a favor dos acupunturistas; passou por Audiência Pública e foi aprovado em duas votações. Foi, enfim, encaminhado para a Comissão da Educação onde
teve parecer contrário do Senador Geraldo Althoff. Na votação, o médico Lúcio
Alcântara se absteve e outros dois médicos, Tião Viana e Sebastião Rocha, ficaram do lado dos acupunturistas. Houve o encaminhamento para CCJC onde acabou sendo arquivado em 2002.
Defendendo a prática multiprofissional da Acupuntura, existem leis implantando Acupuntura no serviço público, como a Lei 3181/99 do Estado de Rio de Janeiro e da Lei no. 5741 de Guarulhos. Existem leis criando Conselhos Municipais de Acupuntura com representantes multiprofissionais, como a Lei N.º
5756/01 de Guarulhos e a Lei Nº 13.472/02 de São Paulo. Atualmente, devido à falta de regulamentação, os acupunturistas têm formações diversificadas. Existem cursos de especialização supervisionados
por alguns Conselhos Federais dos profissionais de saúde. Há cursos técnicos reconhecidos pelas Secretarias de Educação em RJ, SP, MG e SC. O MEC autorizou em 2000 o funcionamento do Curso Superior de Acupuntura do IMAM em Belo Horizonte e reconheceu em 24/2/2003 os diplomas de Acupuntura da
Universidade Estácio de Sá. Há um consenso entre os acupunturistas de lutar por
uma formação profissional em nível superior de modo que a longo prazo, vá diminuindo o número de técnicos.
A Organização Mundial de Saúde (O.M.S.) considera que a saúde é um direito humano fundamental e que os governos têm a obrigação de proporcioná-la a seus povos. Considera que a Medicina Convencional não é
acessível para grande parcela da população. Os cuidados primários de saúde seriam compostos de práticas não convencionais e métodos terapêuticos populares aceitos pelas comunidades, implantados a um custo que possa ser mantido em cada estágio do seu desenvolvimento. Os governos devem adotar
medidas sanitárias e sociais adequadas, contando com a participação de médicos, enfermeiros, parteiras, auxiliares e praticantes das medicinas populares, para trabalhar como equipes multiprofissionais atendendo as necessidades de saúde das comunidades. A Acupuntura é uma das técnicas considerada modelo
pela O.M.S. por ser eficiente e barata. Utiliza instrumentos de baixo custo e dispensa medicamentos caros.
Ultimamente, há crescente busca da Acupuntura pelo povo brasileiro mas que, infelizmente, tem o acesso dificultado devido à falta da especialidade no serviço público de saúde. A única forma de aumentar a oferta da Acupuntura é aumentar as equipes incluindo outros profissionais de saúde.
A regulamentação multiprofissional da Acupuntura permitirá implantação efetiva nos ambulatórios e hospitais públicos, beneficiará o povo brasileiro, melhorará a formação dos acupunturistas, facilitará a fiscalização
evitando pessoas despreparadas no exercício da profissão, reduzirá o custo da assistência médica, e diminuirá a importação dos medicamentos.
Sala das Sessões, em de abril de 2003
Deputado Celso Russomanno
http://medicinatc.blogspot.com.br/p/legislacao.html


ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

A Acupuntura é um método para estimular o organismo a melhorar sua função natural de reação contra as doenças. Ela consiste na inserção de agulhas especiais de ouro, prata ou aço inoxidável (tão finas como um fio de cabelo) em pontos específicos e em diferentes profundidades da pele. Essas agulhas têm a capacidade de alterar condições fisiológicas e bioquímicas e, assim, tratar uma ampla variedade de doenças.

Para a Medicina Tradicional Chinesa, o homem é considerado um sistema energético no qual corpo e mente são unificados, cada um influenciando e equilibrando o outro. Diferente da Medicina Ocidental que procura isolar e separar a doença da pessoa doente, a Medicina Chinesa enfatiza uma abordagem holística, em que o homem deve ser tratado como um todo.

Em primeiro lugar, é necessário consultar um profissional especializado em Medicina Tradicional Chinesa que irá fazer o diagnóstico energético e uma análise aprofundada do seu caso. O diagnóstico pode incluir uma avaliação da pulsação, a observação de aspectos da língua, além da cor e aparência da pele. Em seguida, o acupunturista irá escolher os pontos mais adequados do seu corpo para o tratamento, os chamados “Pontos de Acupuntura”.

Qi


Um dos fundamentos básicos da Medicina Oriental é o Qi, que nada mais é do que a energia que flui por nosso corpo através de canais (denominados meridianos) que ligam os principais órgãos.

Segundo a Medicina Chinesa, uma doença surge quando o fluxo cíclico de Qi nos meridianos perde o equilíbrio ou é bloqueado.

Yin e do Yang

Existem dois aspectos específicos e essenciais que se complementam e que se mantêm num equilíbrio dinâmico, chamados de Yin e Yang.

A natureza de Yin e Yang não é absoluta, mas relativa. Segundo autores chineses, esse equilíbrio encontra-se em todas as manifestações da natureza, seja no mundo animal, no mundo vegetal, nas reações físicas ou químicas. O Yang e o Yin se complementam e não tem forma.

Dentro da concepção chinesa do TAO, o Yang significa o alto, pra fora, à esquerda, a montanha, o dia, a atividade, o movimento, a excitação, a vitalidade, o calor, o claro, o verão, o céu, o homem, a energia, a polaridade positiva, o leve, os órgãos, etc.

O Yin significa o baixo, para dentro, à direita, a planície, à noite, o repouso, a traquilidade, a inibição, o frio, o escuro, o inverno, a terra, a mulher, a matéria, a polaridade negativa, o pesado, as vísceras, etc.

Vale lembrar que uma coisa pode ser Yin em relação à outra. Por exemplo, quando o Yin for máximo, como no caso do gelo, ao chegar ao frio intenso passa a queimar, ou seja, se tornou Yang. Também quando o Yang é máximo, como no caso da explosão da bomba atômica, aonde o calor chega a uma temperatura muito alta, se transforma em Yin, pois o frio chega a 150° negativos após o calor da explosão.

Os cinco movimentos

A medicina chinesa prega que para uma teoria ser verdadeira, deve valer para outras coisas do planeta. Neste sentido, aquilo que ocorre no homem, ocorre na natureza.

Existem cinco movimentos no homem que são responsáveis por todas as estruturas do corpo, que dão energia tanto no aspecto de funcionamento, quanto no aspecto de manutenção e nutrição. Estes cinco movimentos foram denominados de água, madeira, fogo, terra e metal. Baseado pelos antigos chineses no fato de que a natureza está constituída destas substâncias.

Por analogia tudo que tem a propriedade de “crescer e desenvolver”, pertencem à madeira. O calor, “fluir para cima”, pertence ao fogo. O produzir e transformar pertence a terra. A de purificar, ser sólida e forte, pertence ao metal. A de ser fria, úmida e fluir para baixo, pertence à água.

Partindo deste princípio, os antigos chineses relacionaram a Teoria dos Cinco Movimentos com fisiologia dos órgãos e vísceras do organismo.

Agora, para que nenhum dos movimentos se torne excessivo, há necessidade de um controle, feito pela regra Mãe/ Filho, onde um movimento gera outro (por exemplo, a mãe gerando o filho). Por outro lado, um movimento controla o outro, é a avó controlando o neto.

Existem outros ciclos, como o da contra-dominância. Ao invés da terra dominar a água, a água passa a dominar a terra. É o neto contra-dominando a avó. Isto quer dizer que qualquer movimento quando em excesso ou em falta, pode influenciar e alterar todo o sistema.

Há também o ciclo de inibição. Este é a revolta do filho contra a mãe (por exemplo, ao invés da madeira gerar o fogo, o fogo é que queima a madeira). Então, na normalidade, quando o indivíduo tem saúde, nós temos os movimentos de geração e dominância. Na anormalidade, quando o indivíduo se encontra enfermo, nós temos os movimentos de contra-dominância e inibição.

Os Zang-Fu

No pensamento chinês o corpo humano tem cinco centros energéticos, cuja função é fornecer energia para todas as estruturas corpóreas. Estes centros ficam localizados ao redor dos órgãos que lhe dão o nome.

Estes centros são conhecidos como Zang, que significa os cinco órgãos energéticos, sendo dominados de Shen, Gan, Xin, Pi e Fei.

Na tradução feita pelos ocidentais, o Shen ficou sendo o rim energético, Gan o fígado energético, Xin o coração energético, Pi o baço/pâncreas energético e finalmente, Fei, o Pulmão energético.

Estes órgãos energéticos podem ser comparados com uma “pilha” que vão suprir as necessidades do corpo. Desta forma, estes órgãos energéticos cuidam de várias estruturas do nosso corpo.

O rim cuida do próprio rim, da bexiga, dos ossos, da coluna vertebral, das articulações em geral, do tornozelo, das pequenas articulações das mãos. Cuida também do ouvido, dos dentes, dos cabelos, da medula óssea, da medula espinhal e do cérebro. Além da vontade de trabalhar, de fazer as coisas, do ânimo da pessoa, e no homem é responsável, energeticamente, pela parte sexual.

O fígado energético cuida do próprio fígado, da vesícula biliar, dos músculos (porção tendinosa), dos tendões e ligamentos, das glândulas endócrinas, (como por exemplo, a tireóide), cuida da visão, das unhas, e do aparelho reprodutor feminino (útero, ovário e trompas).

O coração energético cuida do próprio coração e dos vasos sanguíneos, do intestino delgado, da consciência e da língua.

O baço/pâncreas energético cuida de todo o sistema digestivo, o estômago, o esôfago, a boca, os lábios a memória e a parte carnosa dos músculos.

O pulmão energético cuida do próprio pulmão, da pele e pêlos, do nariz, do intestino grosso, e da conjuntiva ocular.

Para nós termos saúde, é necessário haver uma harmonia entre esses cinco Zang. Caso haja uma desarmonia destes cinco órgãos o corpo adoece.

O Sistema dos meridianos

Os meridianos comunicam os órgãos energéticos com as estruturas por eles energizadas. Essa função é exatamente importante, pois é responsável pela comunicação entre o interior e o exterior, comunicando a superfície com os órgãos internos.

Essa comunicação também faz a ligação do alto com o baixo, o superficial com o profundo, o lado esquerdo com o direito, por isso,( a medicina chinesa coloca a não harmonia do Yin e do Yang baseado nas inter-relações de alto/baixo, superficial/profundo, esquerdo/direito).

Existem 12 canais de energia principais: pulmão, intestino grosso, estômago, baço/pâncreas, coração intestino delgado, bexiga, rim, mestre do coração, triplo-aquecedor, vesícula biliar, fígado. Existem ainda, oito canais curiosos, assim denominados pela medicina chinesa: Du Mai, Ren Mai Yang Quiao Mai, Yin Quiao Mai, Dai Mai, Cong Mai, Yang Wei e Yin Wei.

Outro grupo de canais chamados de King Luo ou canais secundários, constitui extensa rede de consolidação do sistema energético. Fazem parte dos King Luo, os canais Tendino Musculares que são em número de 12 e levam o nome dos canais de energia principais, conforme o meridiano que se comunica.

Temos ainda os Luo que, podem ser longitudinais ou transversais. Estes são em número de 12, aqueles em número de 15. Temos também 12 canais de energia, ditos Distintos ou Divergentes. E finalmente temos os Xun Luo, capilares energéticos, que ligam a pele aos canais Tendino-Musculares.

Viver bem sem excessos e fadigas



Vida desregrada significa, dentro do pensamento chinês, não faz parte da natureza.
Alimentação: Precisamos da energia dos alimentos, principalmente os de características Yang, para nossas atividades do dia a dia.

Repouso: O repouso é o momento em que o nosso coração recebe a sua energia de nutrição, que segundo o pensamento chinês ocorre entre 11h e 13h.

Processo de Adoecimento

O processo de adoecimento tem três fases: energética, funcional e orgânica. Por exemplo, se você ficar nervoso e preocupado, isto é energético. Porém se você ficar nervoso e preocupado diariamente durante anos, você atinge a fase funcional, passando a ter uma gastrite, significando que você alterou a função do estômago.
Se você continuar nervoso e preocupado por mais anos, diariamente, atingirá a fase orgânica, passando a ter uma úlcera, significando que você lesou o órgão.

Alimentação saudável

A energia dos alimentos vem de duas fontes fundamentais, a energia celeste e a energia terrestre. A energia celeste é constituída pelos raios solares que dão maturação da fruta. A energia da terra, a chama energia telúrica, fornece as características nutritivas dos alimentos como, por exemplo, os sais minerais, a água e o frio. Através da interação das duas vão se formar os carboidratos, lipídeos e proteínas dos alimentos, portanto a alimentação saudável é aquela em que você vai ter um equilíbrio entre todos estes fatores mencionados.


Assim sendo, nós só temos três tipos de alimentos: as proteínas, os carboidratos e os lipídeos.
As Proteínas são os chamados elementos plásticos, que vão construir as nossas células, estão presentes em todos os animais (carnes dos mamíferos, das aves e dos peixes). Os produtos dos animais como o leite e ovos também contém proteínas.

Também são encontradas na maioria dos vegetais, porém em quantidades menores, como nas leguminosas (soja, feijão, etc). Devem ser em torno de 15% do total calórico da refeição.
Os carboidratos são os alimentos chamados energéticos pelos ocidentais, fornecem bastante calorias. Devem ser em torno de 50% do total calórico da refeição. Estão presentes em grande quantidade no arroz, nos pães, nas massas, nos doces e guloseimas.

Também estão nas frutas, porém em pequenas quantidades.

Os Lipídeos são os elementos da alimentação responsáveis pelo paladar e ainda calóricos. Devem ser em torno de 35% do total calórico da refeição . Entra como a gordura dos alimentos ou os óleos que usamos para preparar os alimentos ou para dar paladar nas saladas.

As vitaminas são elementos importantes como catalisadores de todas as funções e reações químicas dentro do nosso organismo. São encontradas na maioria das frutas e vegetais. Não adianta você ingerir cálcio se não tiver em seu corpo a vitamina D para fazer a absorção do cálcio.

Na filosofia chinesa, quanto mais você variar o tipo de alimento, mais energia você recebe.

Energia dos cinco sabores

A cada Zang (órgão energético) corresponde um sabor. Ao coração corresponde o amargo, ao baço/pâncreas doce, ao pulmão o picante, aos rins o salgado e ao fígado corresponde o ácido/azedo.

É importante não esquecer as regras de normalidade e anormalidade. Quando o indivíduo estiver saudável um pouco de sabor é suficiente, porém se estiver em desarmonia ou em desequilíbrio, a busca se torna incessante.

Energia das cores.

Devemos levar em consideração o aspecto cor, que também é um aspecto energético.

A cor também tem suas regras de normalidade e de anormalidade. Se você está com energia em equilíbrio, a escolha da cor tanto faz, porém se estiver em desequilíbrio vai ter a necessidade imperiosa por determinada cor.

Diagnóstico na medicina chinesa

Analisam-se mais a fala, a respiração e a olfação. No interrogatório são avaliadas as seguintes situações: frio e calor; transpiração; dores; sono; apetite e paladar; fezes e urina; menstruação.

Na palpação, o tempo que mais se destaca é o pulso. No pulso você tem as localizações de cada órgão e de cada víscera. A localização dos órgãos é na parte profunda e das vísceras é na parte superficial, portanto nestas 12 posições (6 órgãos e 6 vísceras) é analisado se a energia está vazia, em plenitude ou normal.

Cuidados antes, durante e depois das aplicações de Acupuntura

Antes da aplicação o paciente não deve:

- ingerir bebidas alcoólicas.
- fazer refeições pesadas.
- realizar esforços físicos e excessivos
- ficar agitado, nervoso

Durante a aplicação o paciente deve:

-ficar calmo e relaxado.
- assumir uma posição solta, confortável (não ficar duro).
- pensar em coisas agradáveis, puras e ter a mente tranqüila.

Após a aplicação o paciente deve:

Evitar ter contato com água ou lavar as mão por um período de duas a três horas.

Reações à Acupuntura


As reações à Acupuntura são perfeitamente normais e podem significar que está expulsando as energias presentes dentro do nosso corpo, para poder evitar as doenças no futuro. As reações mais comuns são:

Eventuais agravamentos dos sintomas que o paciente se queixa.

-agitação.
-sonolência/insônia.
-aumento da diurese
-tonturas.
-dor, prurido e/ou discreto edema no local da aplicação da agulha

Esses sinais e sintomas aparecem lentamente no decorrer do tratamento. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico acupunturista.

As agulhas de Acupuntura

Desde os primórdios dos tempos, têm-se usado os mais variados tipos de agulhas. Antigamente eram usadas lascas de pedras, estalactites, lascas de madeira, de bambu e até espinhos. Recentemente temos as de platina e a de aço inox.

Na técnica chinesa a penetração da agulha deve ser profunda. Os pontos de Acupuntura têm profundidade variável de acordo com a localização anatômica, por exemplo, como regra geral, nas mãos e pés é mais superficial. Nas pernas e braços é mais profunda, porém este estímulo é mais intenso provocando mais dor.

O tamanho da lâmina da agulha pode variar desde 10 mm de comprimento até 30 cm. A agulha de 30 cm é usada nas pessoas obesas no tratamento das dores do nervo ciático e também para tratamento de culote, na obesidade. O calibre também varia de 0,14 mm de diâmetro até 0,34 mm.

Nas crianças, nos idosos e no rosto para tratamento de rugas usam-se as mais finas. No adulto as mais grossas.

Onde ocorre o efeito da agulha

A agulha de Acupuntura obedece ao principio físico do efeito das pontas, que diz que nas pontas das agulhas ocorre um acúmulo de cargas elétricas positivas, e no cabo, um acúmulo de polaridade negativa. Neste princípio a agulha funciona como uma antena, captando as energias cósmicas e também a energia de quem aplica.

Essa energia vai provocar uma alteração da polaridade das fibras nervosas existentes na epiderme (a camada mais superficial da pele), disparando o potencial de ação das fibras da dor, o estímulo doloroso se propaga até a medula espinhal, e daí através de várias sinapses, chega até o cérebro nas áreas sensitivas da dor.

No cérebro esta informação é processada e a resposta vai ser a via descendente da dor, com liberação de substancias neuroquímica como as endorfinas (serotoninas e encefalinas). Este tem a sua ação como inibidoras da dor. O estímulo que chega ao cérebro também segue outras vias e no hipotálamo - local do cérebro que controla os órgãos e as vísceras - e vai ocorrer a resposta do sistema nervoso autônomo.

O que é Moxabustão?



A moxa é um bastão, semelhante a um charuto, feito de uma erva chamada Artemísia. Esta erva tem um alto poder calorífero e tem várias indicações, como aumentar as funções dos pontos de Acupuntura, impedir que o frio entre no interior do organismo bem como tratar as doenças provocadas pelo frio. Também tem sua indicação nas pessoas com mais de 40 anos, onde auxilia na manutenção da sua energia vital.

Os chineses a utilizam a moxa com o intuito de aquecer os pontos de Acupuntura. Desta forma eles entendem que, aquecendo os canais de energia principais, se mobiliza fortalecendo o corpo.

Vale lembrar ainda que uma ação importante da moxa seja a sua indicação nos pontos que circulam a energia Jing dos órgãos e vísceras situados nas costas.

Existem duas técnicas de Moxabustão, uma pode-se dizer direta e outra indireta. Na indireta usamos uma rodela de gengibre, alho ou sal entre a pele do paciente e a Artemísia, com a finalidade de aproveitar a energia Yang destes alimentos, potencializando a ação da moxa.

O método direto atualmente não é muito usado, pois provoca queimaduras nos pacientes com cicatrizes irreversíveis. Porém têm-se usado a moxa quase encostando a pele, com um resultado excelente sem necessidade de agredir o paciente.

Para que serve a ventosa?



Ventosa é uma técnica onde se utiliza uma cúpula de vidro ou plástico. É provocado um vácuo através da queima do ar do interior da cúpula de vidro com o álcool ou através de um dispositivo de sucção, no caso da cúpula de plástico.

Essa cúpula ao entrar em contato com a pele do paciente vai promover uma desobstrução do canal de energia pela força exercida deste vácuo. Esta pressão negativa desbloqueia a estagnação de energia que ocorreu no meridiano aliviando assim a dor que esta estagnação provoca. Portanto, suas indicações estão mais relacionadas com as estagnações de energia, ou seja, das dores de origens energéticas agudas.

Auriculoterapia



A Acupuntura Auricular é uma técnica da medicina chinesa, citada nos textos dos livros chineses mais antigos. Na França, Dr. Nogier, partindo das informações dos livros chineses de que os órgãos e vísceras se manifestavam através dos canais de energia no pavilhão auricular em determinados pontos, relacionou um mapa com a localização destes pontos, constituindo aquilo que se chama de Micro Sistema.

A partir deste Micro Sistema Auricular é possível fazer um diagnóstico dos órgãos e vísceras do nosso corpo. De acordo com o local e o tipo de alteração na região correspondente a determinado órgão, pode-se dizer quais sintomas que o paciente está sentindo.

O tratamento para vícios em geral é excelente, apresentando ótimos resultados no tratamento de vícios, como de jogar , comer, fumar, beber, fazer sexo, até drogas, anfetaminas, maconha, cocaína benzodiazepínicos , etc.

A auriculoterapia também consegue bons resultados no tratamento contra a obesidade, controlando a ansiedade e o vício de comer.

As agulhas de aurículo são de dois tipos principais: as semelhantes às de acupuntura e as de retenção, que é uma lamina um pouco mais curta (1,0 cm a 1,5 cm) que as de acupuntura e as segundas, de retenção são circulares, com diâmetro de 2 mm, como aneizinhos com uma lâmina de apenas 3 mm de profundidade, permanecendo na orelha do paciente por até 15 dias. Não é aconselhado deixar mais do que isto para evitar eventuais infecções.

As agulhas parecidas com as de Acupuntura, são utilizadas de forma a permanecer por 2 horas na orelha do paciente. E depois ele próprio as retira.

Portanto a auriculoterapia é uma excelente técnica, porém suas indicações têm que ser precisas.

A massagem energética: Tui-Na

O Tui-Na é uma técnica da medicina chinesa com objetivo de harmonizar o corpo.

No pensamento chinês, o corpo é construído de centros energéticos que dão energia para todas as estruturas do nosso organismo, e para que isso seja feito, é necessário uma comunicação destes centros com essas estruturas, feita através dos canais de energia, que tanto levam quanto trazem energia entre o exterior e o interior do corpo, o alto com o baixo, à esquerda com a direita e o superficial com o profundo, comunicado assim todas as estruturas do nosso organismo com os centros energéticos.

Podemos definir o Tui-Na como uma técnica de massagear os canais de energia para mobilizar-los, seja para tonificar, para sedar os pontos de Acupuntura. Desta forma, através dos pontos de Acupuntura, pode-se agir nos órgãos e vísceras do corpo todo. Assim sendo a massagem tem critérios que devem ser respeitados, existem vários tipos em que você pode escolher para poder ter a terapêutica adequada para cada caso.

A massagem serve como preparativo do paciente para iniciar o tratamento pela acupuntura, acalmando-o propiciando um bem estar geral,mas, quando bem aplicada, torna-se terapêutica das mais eficientes, principalmente nas patologias de origem energéticas e funcionais, onde o resultado é melhor do que das patologias com lesões orgânicas.

Tai Chi Chuan

O princípio do Tai Chi Chuan é a coordenação, a repetição e os movimentos adequados para levar a harmonização de todo o nosso sistema energético. Estes movimentos são classificados em Tai Chi curto, com 37 movimentos, e Tai Chi longo, com 108 movimentos. Estes exercícios têm como objetivo, além harmonização, a captação de energia.

Os exercícios devem ser suaves, lentos e harmoniosos como na natureza. Os movimentos são circulares e promovem a expansão e a retração do tórax, o alongamento e o recolhimento dos membros inferiores e superiores, começando nas articulações do alto para o baixo, ou seja, movimentando-se todas as articulações do pescoço até o pé, sempre com movimentos redondos, suaves e rítmicos e constantes.

Desta maneira o nosso organismo sente-se na mais perfeita harmonia.

O equilíbrio energético, Tao In

Para mobilizarmos o Yin, necessitamos do Tao In.Também conhecido como treinamento interior, ele representa o nosso interior, o nosso Yin.

No interior temos os centros energéticos em numero de 6. No meio do cérebro nós temos o Lin Tai, centro energético, correspondente ao corpo pineal, que se situa o centro Yang do sexto sentido, da premonição, da vivência. Tem o poder de captar a energia celeste, concentrá-la. Local onde o homem é capaz de se comunicar com o céu e emanar energia a distancia. Despertar o Lin Tai, e fazer fluir a energia Yang para o centro Yin Chao é o fundamento do Tao In.

Eletroacupuntura

A eletroacupuntura é utilizada através de aparelhos elétricos que transmitem estímulos aos pontos de acupuntura, conectados às agulhas.

A corrente elétrica produz estímulos elétricos, que substituem as manipulações manuais, possuindo uma ação analgésica mais rápida, cerca de 10 a 20 minutos.



A eletroacupuntura potencializa os efeitos da acupuntura feita com as agulhas. Na maioria das vezes em menor número de agulhas.

A eletroacupuntura pode promover tanto analgesia (perda da sensibilidade à dor), quanto anestesia, enquanto que a estimulação mecânica das agulhas promove apenas analgesia.

A eletroacupuntura, embora tenha as mesmas indicações que a Acupuntura, apresenta excelentes resultados nas síndromes dolorosas miofasciais ( uma alteração muscular que causa dor), traumatismos das partes moles, neuralgias (condições que causam dor por toda a extensão de um nervo), distúrbios neurovegetativos, algumas afecções oncológicas, no tratamento da nevralgia e paralisia dos nervos. Na prática clínica, é muito utilizada no tratamento da ciática, nevralgia de trigêmeos, paralisia facial, cefaléia, dor de dente, LER (Lesões por Esforço Repetitivo).

A terapia pelas ervas medicinais - Fitoterapia

Na china, devido ao grande número de pessoas, a maioria dos tratamentos médicos é feito pela utilização de ervas. O custo é mais barato, e o próprio paciente pode cultivar o seu remédio em sua casa.

Este atendimento chega a ser de 70% das consultas, ou seja, a maior é tratada com ervas. Se não der resultado, aí sim o paciente é encaminhado para a acupuntura.

Para o tratamento das doenças de origem interna com ervas usavam-se os mesmos princípios de Acupuntura , a teoria do Yin/Yang, a lei dos 5 movimentos etc., e para isso usa-se as chamadas regras dos outros princípios: a sudorificação a colorificação, a sedação, a vomificação.

http://www.acupunturista.net/content/acupunture/2/acupuntura-e-medicina-tradicional-chinesa/


Acupunctura Chinesa


acupunctura_chinesa01
A Acupunctura é uma parte importante do grande tesouro da Medicina Tradicional Chinesa. Tem uma história que remonta há mais de dois mil anos. Durante um tempo longo de prática, os médicos das diversas dinastias chinesas desenvolveram e aperfeiçoaram esta especialidade, que abrange várias teorias básicas, tais como o Yin e o Yang, os cinco Movimentos, os Zang-fu (órgãos e vísceras), Qi-Xue (energia e sangue) assim como vários métodos de manipulação de agulhas e experiências clínicas importantes do tratamento segundo os sintomas e sinais, fazendo com que a Acupunctura seja uma terapia muito eficaz na China.

Esta terapia apresenta bons resultados diante de muitas enfermidades e possui vantagens acentuadas sobre outras, os instrumentos utilizados são simples, económicos e de fácil domínio, seguros e sem efeitos colaterais.

É por essa razão que a Acupunctura tem um papel importante na área da saúde do Povo Chinês, assim como, tem obtido o respeito e confiança de outros países. Em Dezembro de 1979, a Organização Mundial de Saúde (OMS) da ONU tomou a decisão de indicar o tratamento com a acupunctura numa série de 43 doenças.

A palavra acupunctura deriva do latim (acus) agulha e punctura (punção). É um método terapêutico, que consiste na punção com pequenas e sólidas agulhas, em pontos específicos do corpo para melhorar a saúde, diminuir a dor ou modificar o estado geral do paciente.

No Ocidente a acupunctura já era conhecida pelos Portugueses por volta de 1650, no século XIX, cerca de 140 autores já haviam escrito sobre o assunto em livros franceses e alemães, mas só em 1930 começou em França a sua utilização concreta.

No período inicial do tratamento pela Acupunctura, os antepassados chineses curavam as enfermidades com agulhas de pedra denominadas Bian, Chan e Zhen.

Na época neolítica, além de agulhas de pedra artificialmente polidas, usavam-se também agulhas polidas de osso e de bambu como instrumentos para a acupunctura. Mais tarde com o desenvolvimento do cozimento de utensílios de barro, também foram utilizadas agulhas de barro, método utilizado em algumas regiões da China até á actualidade.

acupunctura_chinesa03
Com o advento da metalúrgica apareceram sucessivamente, agulhas de diferentes metais, por exemplo, as agulhas de ferro, prata e de ligas metálicas, hoje em dia as agulhas são se aço inoxidável muito finas e de fácil manejo. A metalúrgica não só proporcionou a base do material para a fabricação de agulhas metálicas, como proporcionou a possibilidade de fabricar instrumentos para a Acupunctura para diferentes usos. Á medida que foi aumentando e acumulando experiências no tratamento acupunctural, foram surgindo novas exigências no tocante ás formas de agulhas.
acupunctura_chinesa02

As “nove agulhas” da antiguidade eram fabricadas em nove formas distintas, segundo os diferentes usos, constituindo um símbolo do desenvolvimento das técnicas e teoria da Acupunctura. Em 1968, encontraram na tumba familiar de Liu Sheng e Jing de Zhongshan, da dinastia Han do Oeste (sec. II a.C), nove agulhas para Acupunctura, quatro em ouro e cinco em prata, foi a primeira vez que se descobriu agulhas de metal usadas nos tempos antigos.

As funções terapêuticas da Acupunctura resultam do estímulo de pontos especiais (pontos de acupunctura) e canais de energia, os pontos de acupunctura podem causar certas reacções em outras regiões ou em algum órgão, de forma a obter resultados medicinais. Segundo a teoria da Medicina Tradicional Chinesa, os pontos podem transmitir a função e as mudanças dos órgãos do interior do corpo para a superfície e, ao mesmo tempo, comunicar os factores exógenos da superfície até ao interior.

No princípio os pontos não possuíam locais determinados, nem nomes próprios, tão pouco eram os pontos actualmente conhecidos. A descoberta dos pontos tem muito a ver com o desenvolvimento do tratamento pela Acupunctura. Pouco a pouco, a localização e a função de cada ponto foram sendo definidas. Para facilitar a memorização das suas indicações, os pontos foram denominados segundo as características da região anatómica onde se encontra e a sua função em particular.

Por outro lado, através de constantes práticas clínicas, constatou-se que uma pessoa ao padecer de certa enfermidade, aparecem em determinadas áreas da pele ou em alguns pontos que se encontram em regiões diferentes, fenómenos anormais, tais como dor, distensão ou calor. Isto conduziu ao conhecimento do princípio da relação entre os pontos e as enfermidades e, por conseguinte, foi possível chegar ao diagnóstico por observação dos pontos de Acupunctura.

Na antiguidade, ao aplicarem o tratamento acupunctural, observou-se que sob determinado estimulo, as sensações de dor, intumescimento, distensão e peso no paciente estendia-se ao longo de uma determinada direcção. Posteriormente notaram, que determinados pontos que se encontravam em diferentes áreas do corpo tinham as mesmas funções ou funções parecidas.

agulhas de acupuncturaSobre essa base de conhecimento, agruparam-se os pontos com funções similares ou relações intimas, chegando-se assim á “linha” e dela as concepções dos “canais e colaterais”. Com base na manipulação das agulhas mais de 20 tipos de combinações foram elaboradas e desenvolvidas e a ordenação de registos dos canais de Acupunctura e seus pontos assim como pontos extras foram documentados pelos médicos famosos dessas épocas.

Do estabelecimento da Dinastia Qing até á guerra do ópio (1644-1840) os doutores de medicina consideraram a medicina herbária como sendo superior á Acupunctura sendo esta durante muitas décadas negligenciada. No século XVIII, Wu Qian e os seus colaboradores por ordem imperial compilaram um livro exaustivo sobre Medicina Chinesa, contendo um capitulo de acupunctura com ilustrações, sendo imediatamente seguido de outro médico Li Xuechuán que enfatizava no seu livro a selecção de pontos de Acupunctura de acordo com a diferenciação de síndromes, sendo listados sistematicamente 361 pontos nos catorze canais de energia. Para além destes livros, havia muitas publicações, mas sem grande expressão.

Em 1822, as autoridades da Dinastia Qing declararam uma ordem para abolir permanentemente a Acupunctura do departamento da Faculdade de Medicina Imperial porque “A Acupunctura e a Moxibustão não são satisfatórias para serem aplicadas ao Imperador”.

Após a guerra do ópio em 1840, a China entrou em uma sociedade semifeudal e semicolonial. Com a revolução de 1911 e o fim da dinastia Qing o governo pró-ocidente instituído então, depreciou completamente a Medicina Tradicional Chinesa proibindo-a e tomando uma série de medidas para restringir o seu desenvolvimento incluindo a acupunctura.

Devido á grande necessidade de cuidados médicos do povo chinês, a acupunctura dessiminou-se entre as pessoas do povo. Muitos acupunctores fizeram esforços inflexíveis para proteger e desenvolver este grande legado médico, fundando associações de Acupunctura editando livros e promovendo cursos por correspondência para ensinar tal arte.

A Acupunctura ganhou nova vida assim como a Medicina Chinesa quando em Outubro de 1944 o presidente Mão fez um discurso apelando a reintegração da Medicina Tradicional Chinesa na área da saúde da nova China. Desde a fundação da Republica Popular da China, foi acelerada a propagação da Acupunctura e dos cuidados médicos tradicionais por todo país.acupunctura_chinesa04

Nos anos 50 do século XX, a China ajudou a antiga União Soviética e outros países da Europa Oriental a formar acupunctores. Desde 1975 a pedido da Organização Mundial de Saúde, foram criados cursos de formação de Acupunctura Internacional em Beijing, Shangai e Nanjing para formar acupunctores de outros países. Mais de 120 países enviaram aí profissionais, para se especializarem. Actualmente o intercâmbio de organizações académicas ocidentais com a associação médica chinesa é vasta e alargada a muitos países.

Texto retirado do site:
http://www.medicinachinesapt.com/acupunctura_chinesa.html

Tratamento de emoções "negativas" pela Acupuntura


As Sete Emoções Negativas da Medicina Chinesa


As sete emoções básicas relacionadas às funções orgânicas são a raiva, alegria, preocupação, pensamento obsessivo, tristeza, medo e choque (pavor). Apesar da conexão mente/corpo ter sido reconhecida relativamente há pouco tempo na medicina ocidental, a interação das emoções com o corpo físico é um aspecto essencial na Medicina Tradicional Chinesa.

Cada órgão corresponde a uma emoção e o desequilíbrio dessa emoção pode afetar a função do órgão. Por exemplo, a raiva prolongada pode levar a um desequilíbrio no fígado. Ao mesmo tempo, desequilíbrios no fígado podem produzir sintomas de raiva que geralmente levam a um ciclo auto-perpetuador.

Ao discutirmos o aspecto emocional do processo da doença, é importante lembrar que é normal sentirmos a gama completa das emoções. Uma fonte de desequilíbrio surge somente quando uma emoção em particular é vivenciada por um período prolongado de tempo ou com uma intensidade específica.

Certamente é importante que uma pessoa com problemas emocionais sérios recorra à ajuda profissional de um psicoterapeuta. Mas, mesmo nesses casos, a terapia é mais eficaz quando o desequilíbrio do órgão correspondente é ajustado. A acupuntura é especialmente eficaz no tratamento de desordens emocionais. Mesmo quando ela não é completamente eficaz no tratamento de distúrbios físicos, quase sempre ela proporciona um estado de paz emocional.

Raiva

Está associada ao fígado. Por sua natureza, a raiva causa o aumento do qi, o que provoca rosto e olhos avermelhados, dores de cabeça e vertigens. Isso coincide com o padrão de aumento do chamado fogo do fígado. A raiva também pode fazer o qi do fígado “atacar o baço”, produzindo falta de apetite, indigestão e diarréia, geralmente isso ocorre com pessoas que discutem na mesa de refeições ou comem enquanto dirigem.

Numa visão mais a longo prazo, a raiva ou frustração reprimida normalmente causa a estagnação do qi e isso pode resultar em depressão ou desordens menstruais. É interessante notar que as pessoas que ingerem ervas para liberar o qi estagnado do fígado normalmente experimentam surtos de raiva quando a estagnação é liberada. A raiva passa quando o equilíbrio é restaurado. Da mesma forma, geralmente a raiva e a irritabilidade são os fatores determinantes no diagnóstico da estagnação do qi do fígado.

Muitas pessoas ficam aliviadas ao saber que sua raiva tem um fundo fisiológico. É essencial evitar ingerir café durante o tratamento de desordens do fígado relacionadas à raiva, pois o café aquece o fígado e intensifica muita a condição desfavorável.

Alegria

A emoção da alegria está ligada ao coração. Uma desordem relacionada à alegria pode parecer estranha, já que a maioria das pessoas deseja o máximo de alegria em suas vidas. As desordens dessa emoção não são causadas pela felicidade. O desequilíbrio surge quando entusiasmo ou estímulos excessivos ocorrem ou boas notícias súbitas chegam como um choque para o sistema.

Ao avaliar os níveis de estresse, os psicólogos verificam todas as fontes de estresse: positivas e negativas. É claro que a morte de um cônjuge ou a perda de um emprego é uma fonte significante de estresse. Porém, um casamento ou promoção no emprego, ainda que seja uma ocasião feliz, também é uma fonte de estresse.

Uma pessoa que está constantemente saindo, freqüentando festas e vivendo uma vida de excessos, pode acabar desenvolvendo desequilíbrios do coração como palpitações, ansiedade e insônia. Uma pessoa com desequilíbrios no coração também pode demonstrar sintomas emocionais, já que o coração é o lar do espírito (shen). Uma pessoa com sérios distúrbios no shen do coração pode ser vista conversando alegremente consigo mesma e tendo surtos de gargalhadas.

Tal comportamento resulta da incapacidade do órgão do coração em proporcionar um local de descanso estável para o espírito. Esse tipo de desequilíbrio é tratado com acupuntura ao longo do meridiano do coração. Os tratamentos herbários consistem em fórmulas que nutrem o sangue do coração ou yin. Se o fogo do coração perturba o espírito, ervas que limpam o calor do coração são usadas.

Preocupação

A preocupação, uma emoção muito comum em nossa sociedade repleta de estresses, pode esgotar a energia do baço. Isso pode causar distúrbios digestivos e acabar levando à fadiga crônica: um baço enfraquecido não pode transformar o alimento em qi de maneira eficaz e também os pulmões são incapazes de extrair o qi do ar eficientemente.

Uma pessoa que se preocupa muito “transporta o peso do mundo sobre seus ombros”, e uma palavra que descreve muito bem como uma pessoa se sente quando o qi de seu baço está fraco é depressão. O tratamento inclui moxa e ervas que fortificam o baço, o que proporciona à pessoa energia para lidar com os problemas da vida em vez de vivenciá-los.

Pensamento obsessivo

Pensar excessivamente ou obsessivamente sobre um assunto também pode esgotar o baço, o que causa a sua estagnação. Uma pessoa com essa condição pode exibir sintomas como falta de apetite, esquecimento de se alimentar e inchaço após comer. Com o tempo, a pessoa pode desenvolver uma complexão pálida devido à deficiência de qi do baço. Eventualmente, isso pode afetar o coração, fazendo a pessoa sonhar com os mesmos assuntos à noite. Geralmente os estudantes são afetados por esse desequilíbrio. O tratamento padrão é usar ervas que tonifiquem o sangue do coração e o qi do baço.

Tristeza

A tristeza ou pesar afeta os pulmões, produzindo fatiga, falta de ar, choro ou depressão. O tratamento dessa condição envolve acupuntura para os pontos ao longo dos meridianos do pulmão e rim. Normalmente, fórmulas herbárias são usadas para tonificar o qi ou yin dos pulmões.

Medo

A emoção do medo está relacionada com os rins. Essa ligação pode ser prontamente percebida quando o medo extremo faz uma pessoa urinar incontrolavelmente. Nas crianças isso também se manifesta quando elas urinam na cama, o que os psicólogos associaram com insegurança e ansiedade.

A ansiedade prolongada devido às preocupações com o futuro pode esgotar o yin, yang e qi dos rins, o que pode eventualmente levar à fraqueza crônica. O tratamento envolve tonificar os rins com tônicos yin ou yang, dependendo dos sintomas particulares.

Choque (pavor)

O choque é especialmente debilitante para os rins e o coração. A reação “lutar ou fugir” causa uma liberação excessiva de adrenalina das glândulas adrenais ou supra-renais, que se localizam sobre os rins. Isso faz o coração responder com palpitações, ansiedade e insônia.

O estresse crônico oriundo do choque pode ser muito debilitante para o sistema inteiro, causando uma ampla gama de problemas. O choque severo pode ter um efeito duradouro sobre o shen do coração, como fica evidente em vítimas da síndrome do estresse pós-traumático. O tratamento envolve psicoterapia, ervas que acalmam o espírito e nutrem o coração e rins, e tratamentos regulares de acupuntura

A auriculoterapia é um sistema independente da acupunctura e especialidade dentro da Medicina Chinesa. A aplicação actual da auriculoterapia não se restringe apenas ao tratamento das enfermidades através dos pontos auriculares, este sistema tem-se desenvolvido em relação ao diagnóstico em muitas patologias. Através da auriculoterapia podem ser tratadas cerca de 200 enfermidades, entre as quais estão: enfermidades de carácter funcional, enfermidades de carácter neurótico e psicótico: cefaleias, neurastenia, insónia e dor, etc. A auriculoterapia é provavelmente um dos mais antigos métodos terapêuticos praticados na china. Este microsistema já era referido nos textos antigos como o Huang Ti Nei Jing, onde se relata a estreita relação do pavilhão auricular com o resto do corpo.yinyang_1

Em 1973, antropólogos chineses, encontraram nas escavações realizadas na província de Hu Nan, um livro antigo do período Han, escrito em duas partes intituladas “Os onze canais dos braços e das pernas na moxibustão e os onze canais Yin e Yang na moxibustão”. Segundo os especialistas esta obra deve ser a mais antiga sobre os canais no tratamento com moxibustão, na 2ª parte do livro menciona-se “Os membros, os olhos, a face e a garganta, todas reúnem-se, através de vasos e canais, na orelha”. Outros livros antigos da Dinastia Tang e Ming, também mencionam o uso de pontos na orelha para o tratamento de diversas enfermidades.

Mais recentemente em 1947, o Dr. P. Nogier (francês), publicou alguns trabalhos nos quais expõe a relação existente entre o pavilhão auricular e o resto do organismo, descrevendo inclusivamente, as experiências realizadas com clientes e os óptimos resultados obtidos. Ao que se sabe, ele partiu da observação dos povos do mediterrâneo, que tinham por hábito o uso de pequenas cauterizações na orelha para o tratamento de várias moléstias, conseguindo descobrir uma série de pontos curativos. Ao estudar esses pontos estabeleceu uma ligação entre a posição destes no pavilhão auricular e aquela ocupada pelo feto pouco antes do nascimento. Estes trabalhos do Dr. Nogier foram publicados em jornais de Xangai levando os chineses a acelerarem as investigações sobre esta área, criando vários centros de investigação por toda a China.

AuriculoterapiaDesde a década de 80 do século XX até á actualidade foram feitos progressos enormes na auriculoterapia quando em 1982 foi fundado na China o Grupo Nacional de Trabalho em Auriculoterapia.

Em Outubro de 1989, celebrou-se em Pequim (Beijing) o primeiro congresso Internacional de Auriculoterapia, o qual marcou uma nova etapa no desenvolvimento tanto na China como no Mundo da Auriculoterapia.

Neste momento, a Auriculoterapia constitui uma especialidade Universitária, motivo de estudo tanto de médicos formados em Medicina Chinesa como Ocidental. Muitas têm sido as publicações que têm saído sobre a auriculoterapia aumentando cada vez mais o acumular de conhecimentos. O grupo de investigações sobre auriculoterapia da província de Yun Nan, editou um livro intitulado tratado de Auriculoterapia Chinesa. Uma editora de Shangai publicou os livros “O tratamento com auriculoterapia” e “selecção de auriculoterapia”. Na província da Nan Jing publicou-se o livro “Aplicação clínica da Auriculoterapia”. O hospital de Medicina Tradicional da província de Guang Zhou editou o livro “Experiência Clínica da Auriculoterapia”. Na província de Tian Jing também se publicou o livro com o título “Experiências sobre o uso e diagnostico dos pontos Auriculares”. Em Pequim (Beijing), editou-se o livro “Manual sobre Aplicação Diagnostica e Terapêutica dos Pontos Auriculares”. Na província de Au Hui, o livro “Tratado Aclaratório sobre Auriculo-punctura”. Em 1991 a professora Huang Li Chun editou em Beijing um dos tratados mais importantes de auriculoterapia publicados na China, com o título “Tratado sobre o Diagnóstico e Tratamento através dos Pontos Auriculares”. Estes títulos de livros são uma pálida amostra do vertiginoso desenvolvimento que tem alcançado a auriculoterapia nos últimos 30 anos dentro da China.

A auriculoterapia tem constituído a sua própria teoria, por ter na actualidade, métodos independentes para o diagnóstico e tratamento das enfermidades. Os pontos auriculares funcionam como uma memória do histórico patológico das pessoas, por isso o diagnóstico através destes, fornece-nos o desenvolvimento cronológico das enfermidades e a preparação para processos patológicos que ainda não se manifestaram clinicamente. O diagnóstico da auriculoterapia tem valor hoje semiológico muito próximo do diagnóstico através do pulso e da observação da língua na MTC.


acupunturaauricular3

O pavilhão auricular é considerado uma parte muito importante do corpo humano, por constituir um microsistema, capaz de funcionar como um receptor de sinais de alta especificidade, podendo reflectir todas as mudanças fisiológicas dos órgãos e vísceras, dos quatro membros, do tronco, dos tecidos, etc. Quando produz-se uma desarmonia em qualquer parte do corpo humano, este é reflectido na orelha com reacções de carácter e localidades diferentes, específicos a cada enfermidade em particular, e deixando relações muito estreitas entre os locais reactivos e as partes do organismo implicadas na patologia. As reacções podem ser de diferentes tipos, entre as mais comuns são: mudanças na resistência eléctrica das zonas reactivas específicas, mudanças de coloração, descamações, mudanças morfológicas nessas áreas, eczemas, etc. Todas estas reacções podem aparecer no pavilhão auricular, antes que a enfermidade se manifeste e também, desaparecer depois da cura da enfermidade.

O método de tratamento em auriculoterapia tem tido muito desenvolvimento durante estes últimos anos, desde as tradicionais agulhas de acupunctura de dimensões relativamente pequenas e muito finas, ás agulhas intra-dérmicas, á utilização do laser, passando pelas esferas magnéticas e moxabustão até á prática mais utilizada na China que é a colocação de pequenas sementes com adesivo demonstraram resultados excelentes, e são utilizados em conformidade com a necessidade do paciente, pois cada organismo reage de uma forma determinada ao estímulo, cada pessoa é um universo único, todo o tratamento pela auriculoterapia tem como objecto promover o equilíbrio do paciente e assim o seu bem-estar. A auriculoterapia é especialmente indicada quando se necessita que o paciente leve o tratamento para casa, podendo o paciente pressionar as esferas ou semente colocadas nos pontos auriculares, estimulando por pressão e efectivando continuamente o tratamento.

BARRE

http://www.medicinachinesapt.com/acupunctura_chinesa.html

  Site Map