Estado Vibracional – A Técnica

Introdução

Vivemos numa realidade energética, o que a ciência já admite. A matéria pode ser convertida em energia e vice-versa. Além disso, a ciência tradicional admite que existem outras formas de energia, mais sutis, indetectáveis pela nossa instrumentação, mais facilmente percebidas pelas formas biológicas, em outras palavras, por nossos corpos.

Estamos imersos, portanto, em um uma espécie de oceano onde se interfundem diversos tipos de energias físicas (luz, calor, som) e extrafísicas oriundas do planeta (energias dos solos, das águas, do ar, da fauna e da flora) e de outras pessoas como nós (energias conscienciais). Essas energias podem ser, conforme o caso, positivas e agradáveis, negativas e danosas ou mesmo ser indiferentes para nós. Nosso organismo biológico possui meios de absorver, processar e exteriorizar todas essas formas de energias.

Em nosso dia a dia, naturalmente, absorvemos padrões de energias positivas, que nos fazem bem, assim como energias indesejáveis que por vezes acabam comprometendo nosso equilíbrio, acarretando em mal estar, desânimo, irritação, dores de cabeça, mal estares dentre outros problemas que podem ser bem mais graves.

Em determinadas ocasiões, em nosso dia a dia, quando entramos em ambientes carregados, participamos de certas reuniões, discutimos com alguém, nos irritamos no trânsito, podemos, às vezes, sentir de imediato que ficamos com "algo" indesejado conosco. Às vezes também sentimos os sintomas acima descritos após um longo dia de trabalho estafante.

Se for possível nos liberarmos dessas energias, teremos uma saúde psíquica, emocional e física melhor.
 O
EV – Estado Vibracional – é uma técnica de mobilização energética desenvolvida a partir de experimentos realizados nos anos 80 que pode proporcionar isso.

Quando uma pessoa passa por um EV, seu campo energético vibra numa frequência muito mais elevada e intensa o que promove a dissociação das energias mais densas, negativas e parasitárias que se encontram em alguma parte do seu corpo ou em sua periferia (em nossa aura pessoal).

O EV pode ocorrer quando recebemos uma forte descarga energética positiva feita por outra pessoa,

quando sintonizamos um campo energético positivo e muito forte ou quando exteriorizamos muita

energia. O EV também pode ser produzido pelo uso da vontade, por meio da circulação fechada de

energias, dentro do corpo.

Essa técnica consiste em circular as suas próprias energias do alto da cabeça até a ponta dos pés, passando por todo o interior do corpo. Em seguida, desloca-se as energias da ponta dos pés até o alto da cabeça, novamente passando por dentro do corpo. Esse movimento circulatório vai sendo repetido sucessivamente e numa velocidade progressivamente maior até que, num dado momento, quando atingimos um ápice nessa movimentação, chegamos ao EV. Nesse momento, dependendo da pessoa, ela pode sentir: frio ou calor intenso, independentemente da temperatura ambiente; formigamento ou agulhadas indolores por todo o corpo; sensação de expansão do próprio corpo; dentre outras sensações.

Quando atingimos o EV, um estado de máxima vibração energética, todas as energias que nos são estranhas, parasitas, recentemente absorvidas do meio ambiente ou de outras pessoas, são eliminadas, pois, como elevamos, naquele momento, nosso padrão vibratório, as energias de baixo padrão acopladas ao nosso corpo tornam-se incompatíveis, sendo então eliminadas, diluídas e expelidas.

Pode-se fazer uma analogia ao que proporciona o EV numa pessoa com o efeito de um sacolejar numa flanela empoeirada.

A técnica do EV é conhecida há milênios, tendo sido praticada desde a antigüidade de forma empírica, ou seja, não havia um procedimento técnico como hoje para produzi-lo, muito menos estudos detalhados sobre os benefícios que ele pode proporcionar. Umas poucas obras orientais fazem referência a essa técnica. 
Em anos recentes, ela foi reinventada no Brasil, ou seja, passou a ser usada sem que se soubesse
de sua existência no passado.

Benefícios do EV

Os benefícios do EV são muitos: melhoria da saúde psíquica, emocional e mental; melhoria do padrão

energético pessoal, melhoria do ambiente energético ao nosso redor; liberação de energias nocivas;

afastamento temporário de consciências extrafísicas doentias (assediadores, obsessores, etc);

desacoplamento com campos energéticos que provocam acidentes (de qualquer tipo). Feito antes de

dormir, pode levar a pessoa a ter uma projeção consciente (experiência fora do corpo).

Boas ocasiões para se praticar o EV: antes, durante e depois de uma reunião de trabalho; antes de uma entrevista para emprego; após um trabalho mediúnico; durante e após uma discussão; durante e após uma conversa difícil ao telefone; antes de concretizar um negócio ou fazer a compra de algo importante; durante situações de tensão, tais como assaltos, seqüestros, conflitos; quando debilitado por motivo de doença ou cirurgia; antes de dirigir seu automóvel, moto ou qualquer outro tipo de veículo; ao embarcar como passageiro em automóvel, ônibus, trem ou avião.

Emprego do EV

A título de exemplificação do seu alcance, relacionamos a seguir 10 casos onde o EV poderá ser empregado antes, durante e depois dos eventos:

(1) Ao realizar trabalho de assistência energética, por exemplo, ao ministrar passes em um centro espírita;

(2) Ao prestar assistência a pessoa sofrendo de enfermidade séria, física ou psíquica;

(3) Ao participar de uma reunião de trabalho;

(4) Ao assinar um documento importante, tal como os referentes à compra e venda de imóveis;

(5) Ao iniciar uma viagem, a passeio ou a trabalho;

(6) Durante situação de tensão, irritação ou perigo;

(7) Ao lidar com pessoa de trato difícil, pessoalmente ou ao telefone;

(8) Quando sua saúde física ou psíquica for afetada, seja por um simples resfriado, seja por algo mais grave;

(9) Ao sentir-se vítima de influência energética negativa advinda de consciências intrafísicas ou extrafísicas

(assédio, obsessão) e

(10) Quando precisar se concentrar para realizar um trabalho intelectual ou redigir um documento

importante.

Contraindicações

O EV não tem contraindicações e pode ser feito em qualquer local, a qualquer hora do dia, em qualquer posição (sentado, deitado e até caminhando). Recomenda-se, contudo, evitar praticá-lo quando dirigindo um veículo ou operando alguma máquina ou instrumento pois, ao nos concentrarmos em fazer a circulação da energias, podemos, por desatenção, sofrer ou provocar algum acidente.

Dificuldades Iniciais

A grande dificuldade para os iniciantes na prática do EV é que eles não sabem perceber as energias. Afinal, que energias são essas? São energias extrafísicas, bioenergias que impregnam nosso corpo, os corpos de todos os seres vivos. A ciência ainda não admite a existência dessa forma de energia, no entanto qualquer pessoa pode, facilmente, comprovar sua existência e atuação em diversas situações no dia a dia.

Se a pessoa não consegue perceber esse tipo de energia, com a prática do EV, com certeza ela vai aprender a fazer isso.

Desenvolvimento

Ao praticar-se o EV por anos e anos a fio, algumas vezes por dia, acaba-se por atingir um ponto em que se pode promovê-lo usando apenas a vontade, ou seja, torna-se dispensável a circulação fechada de energias.

Basta desejar fazer o EV e ele acontece.

Em ambientes muito negativos, sob forte estresse ou pressão emocional, ou ainda quando estamos sob a influência energética de consciências doentias, sejam intrafísicas ou extrafísicas (assédio), é mais difícil, às vezes até mesmo impossível, produzir-se o EV.

O EV instalado

Contudo, com o passar do tempo, o EV vai sendo obtido de forma cada vez mais fácil e rápida. Dando-se prosseguimento ao seu desenvolvimento, pode-se chegar ao ponto em que o EV pode ser produzido em qualquer lugar, em quaisquer circunstâncias. Nesse ponto, pode-se dizer que se domina a instalação do EV.

 

Com o passar do tempo, o praticante do EV vai fazendo suas próprias descobertas acerca das manifestações energéticas. Por exemplo, quanto mais praticamos EV num determinado cômodo da casa ou dentro de nosso automóvel, veremos que será cada vez mais fácil obtê-lo ali.

A Técnica

A seguir descrevemos em detalhes como proceder com a técnica. Pode ser que não se obtenha o EV logo na primeira tentativa. Na realidade, a maioria das pessoas somente consegue atingir o EV após praticar a técnica várias vezes. Com o passar do tempo, a tendência é que o EV seja atingido cada vez mais rapidamente e com menos esforço.

Para facilitar a obtenção do EV, é uma boa prática, nas primeiras vezes, otimizar as condições do exercício.

Nesse sentido, procure um local tranqüilo, sem ruído elevado. Certifique-se de que, nos próximos minutos, você não será interrompido por outras pessoas ou pelo telefone.

Sente-se numa cadeira ou poltrona confortável. Posicione os braços junto ao corpo e as mãos sobre as pernas. Feche os olhos. Procure relaxar o corpo, se necessário, inspire e expire de forma suave e profunda de uma a três vezes.

Procedimento

(1) Concentre o foco da sua atenção no alto da cabeça. Permaneça com esse foco por alguns momentos nesse ponto. Isso fará com que suas energias se concentrem ali, mesmo que você não as sinta.

(2) Bem lentamente, desloque o foco da sua atenção de forma que ele desça pela cabeça até chegar ao pescoço; passando em seguida pelo tórax, abdome, quadris, cochas, joelhos, até chegar à ponta dos pés.

Conforme for passando por cada parte do corpo, vá percebendo aquela parte em que o foco da sua atenção está passando.

(3) Uma vez que o foco da atenção esteja na ponta dos pés, desloque-o, bem lentamente, passando pelas pernas, joelhos, cochas, quadris, abdome, tórax, pescoço, até chegar novamente ao alto da cabeça.

(4) Uma vez que o foco da sua atenção chegue ao alto da cabeça, repita novamente o procedimento de descida e subida, bem lentamente.

(5) A partir da quarta repetição, comece a acelerar a velocidade da circulação do foco da atenção a cada repetição. Acelere cada vez mais.

(6) Acelere a velocidade da circulação até chegar à maior velocidade possível e mantenha nessa velocidade por alguns momentos. Quando achar que chegou à máxima velocidade possível, acelere mais um pouco...

(isso é importante: temos que forçar um pouco).

(7) O EV é obtido quando se atinge a máxima velocidade possível. Após alguns momentos na velocidade máxima vá diminuindo a velocidade de circulação lentamente até parar por completo. Em seguida, mova-se lentamente até levantar-se.

A Circulação fechada passo a passo

Dicas

Durante a circulação evite sincronizar esse deslocamento do foco da atenção com a respiração, pois isso pode causar a aceleração dos batimentos cardíacos (taquicardia) que vai atrapalhar na obtenção do EV.

Ocorrendo taquicardia, pare com a circulação e recomece-a quando os batimentos do coração voltarem ao normal.

A técnica pode ser feita estando-se deitado num divã, poltrona ou na cama.

Mesmo que não tenha percebido nada diferente, repita a técnica durante alguns dias. Se desejar, repita a técnica mais de uma vez por dia. Após certo número de repetições da técnica, impossível de se determinar, pois varia de pessoa para pessoa, vai se percebendo que "alguma coisa" (as energias) vai se deslocando pelo corpo acompanhando o deslocar do foco da atenção, pois, aonde focalizamos nossa atenção, nossa energia se concentra. Algumas pessoas atingem o EV na primeira vez que aplicam a técnica. A maioria das pessoas obtém o EV após repetir a técnica umas 10 ou 15 vezes.

Os primeiros EVs podem ser muito intensos se comparados aos subsequentes. Isso pode ser explicado pelo fato de que as energias do corpo energético (perispírito, energossoma, holochacra, dentre outras denominações) da pessoa vão se sutilizando à medida que ela vai fazendo EV após EV.

Com o passar do tempo e da contínua aplicação da técnica, a tendência é obter o EV cada vez mais rapidamente e com mais facilidade. Efetivamente, um veterano na técnica pode obter um EV em apenas alguns segundos com um mínimo de concentração.

Algumas pessoas fazem diversas experiências consigo mesmas no sentido de acelerar a obtenção do EV; fazem EV dez, vinte ou mais vezes ao dia para observarem o que isso provoca, etc.

Finalmente, lembre-se de que nesse texto apresentamos apenas a “ponta do iceberg” sobre o assunto.

Cesar S. Machado – Brasília-DF, 23.10.2010

Texto retirado do site: http://www.metaconsciencia.com/artigos/files/Artigo_21.pdf

  Site Map