LÚCIFER - O LIVRO DE URANTIA

Pág. 601

DOCUMENTO 53

A REBELIÃO DE LÚCIFER

Lucifer_anime
Lúcifer era um brilhante Filho Lanonandeque primário de Nebadon. Ele havia experienciado o serviço em muitos sistemas, tinha sido um alto conselheiro do seu grupo e distinguiu-se pela sua sabedoria, sagacidade e eficiência. Lúcifer era o número 37 da sua ordem e, quando foi indicado pelos Melquisedeques, ele havia sido distinguido como uma das cem personalidades mais capazes e brilhantes entre mais de setecentos mil da sua espécie. Vindo de um começo tão magnífico, ele abraçou o pecado, por intermédio do mal e do erro, e agora está numerado como um dos três Soberanos de Sistemas em Nebadon que sucumbiram ao impulso do ego e se renderam aos sofismas da liberdade pessoal espúria – a rejeição da lealdade universal, a desconsideração pelas obrigações fraternais e a cegueira para as relações cósmicas.

No universo de Nebadon, domínio de Cristo Michael, há dez mil sistemas de mundos habitados. Em toda a história dos Filhos Lanonandeques, durante todo o trabalho deles em todos esses milhares de sistemas e na sede central do universo, apenas três Soberanos de Sistemas desrespeitaram o governo do Filho Criador.

1. OS LÍDERES DA REBELIÃO

Lúcifer não era um ser ascendente; ele era um Filho criado do universo local e dele foi dito: “Eras perfeito em todos os teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que a falta de retidão fosse encontrada em ti”. Muitas vezes, ele esteve em conselho com os Altíssimos de Edêntia. E Lúcifer reinou “sobre a montanha sagrada de Deus”, a montanha administrativa de Jerusém, pois era o dirigente executivo de um grande sistema de 607 mundos habitados.

Lúcifer era um ser magnífico, uma personalidade brilhante; ele estava ao lado dos Pais Altíssimos das constelações, na linha direta da autoridade no universo. Não obstante a transgressão de Lúcifer, as inteligências subordinadas abstiveram-se de demonstrar-lhe desrespeito e desdém, antes da auto-outorga de Michael em Urântia. Mesmo o arcanjo de Michael, na época da ressurreição de Moisés, “não fez contra ele um juízo de acusação, mas simplesmente disse: ‘que o Juiz te repreenda’”. O julgamento dessas questões pertence aos Anciães dos Dias, os governantes do superuniverso.

Lúcifer agora é o Soberano caído e deposto de Satânia. A auto-admiração é sumamente desastrosa, até mesmo para as elevadas personalidades do mundo celeste. De Lúcifer foi dito: “O teu coração enalteceu-se por causa da tua beleza; tu corrompeste a tua sabedoria em vista do teu esplendor”. O vosso profeta de outrora percebeu esse triste estado, quando escreveu: “Como caíste dos céus, ó Lúcifer, filho da manhã! Como foste abatido, tu que ousaste confundir os mundos!”
Pág. 602anjo-anjo

Quase nada foi ouvido sobre Lúcifer em Urântia, devido ao fato de que ele designou o seu primeiro assistente, Satã, para advogar a sua causa no vosso planeta. Satã era um membro do mesmo grupo de Lanonandeques primários, mas nunca havia funcionado como um Soberano de Sistema; e participou totalmente da insurreição de Lúcifer. O “diabo” não é nenhum outro senão Caligástia, o Príncipe Planetário deposto de Urântia e um Filho Lanonandeque da ordem secundária. Na época em que Michael esteve na carne em Urântia, Lúcifer, Satã e Caligástia aliaram-se para causar juntos o insucesso da sua missão de auto-outorga. Todavia, fracassaram visivelmente.

Abaddon era o dirigente do corpo de assistentes de Caligástia. Ele seguiu o seu chefe na rebelião e, desde então, tem atuado como chefe executivo dos rebeldes de Urântia. Belzebu foi o líder das criaturas intermediárias desleais que se aliaram às forças do traidor Caligástia.

O dragão afinal tornou-se a representação simbólica de todas essas personagens do mal. Com o triunfo de Michael, “Gabriel veio de Salvington e acorrentou o dragão (todos os líderes rebeldes) por uma idade”. Dos rebeldes seráficos de Jerusém, está escrito: “E os anjos que não mantiveram o seu estado original e que deixaram a sua própria morada, ele os prendeu nas correntes seguras da obscuridade para o grande dia do julgamento”.

2. AS CAUSAS DA REBELIÃO

Lúcifer e o seu primeiro assistente, Satã, haviam reinado em Jerusém por mais de quinhentos mil anos, quando, nos seus corações, eles começaram a alinhar-se contra o Pai Universal e o Seu Filho, então vice-regente, Michael.

Não houve qualquer condição peculiar ou especial, no sistema de Satânia, que sugerisse ou favorecesse a rebelião. Acreditamos que a idéia teve origem e forma na mente de Lúcifer, e que ele poderia ter instigado tal rebelião, não importa onde ele estivesse servindo. Lúcifer primeiro anunciou os seus planos a Satã, mas foram necessários vários meses para corromper a mente do seu parceiro capaz e brilhante. Contudo, uma vez convertido às teorias rebeldes, ele tornou-se um defensor ousado e sincero da “afirmação de si e da liberdade”.

Ninguém jamais sugeriu a Lúcifer a rebelião. A idéia da auto-afirmação, em oposição à vontade de Michael e aos planos do Pai Universal, tal como representados por Michael, teve sua origem na própria mente de Lúcifer. As relações dele com o Filho Criador tinham sido estreitas e sempre cordiais. Em nenhum momento, antes da exaltação da sua própria mente, Lúcifer exprimira abertamente insatisfação com respeito à administração do universo. Não obstante o seu silêncio, por mais de cem anos do tempo-padrão, os Uniões dos Dias em Salvington haviam informado, por refletividade, para Uversa, que nem tudo estava em paz na mente de Lúcifer. Essa informação foi também encaminhada ao Filho Criador e aos Pais da Constelação de Norlatiadeque.

arcanjogabriel

Ao longo desse período, Lúcifer tornou-se cada vez mais crítico de todo o plano da administração do universo, no entanto, sempre professou lealdade sincera aos Governantes Supremos. A sua primeira deslealdade, manifestada abertamente, aconteceu por ocasião de uma visita de Gabriel a Jerusém, poucos dias antes da proclamação aberta da Declaração de Lúcifer pela Liberdade. Gabriel ficou muito impressionado, tão profundamente que teve a certeza da iminência de uma ruptura e foi a Edêntia, diretamente, para conferenciar com os Pais da Constelação sobre as medidas a serem tomadas no caso de uma rebelião declarada.
Pág. 603

É muito difícil apontar uma causa, ou as causas exatas, que finalmente culminou na rebelião de Lúcifer. Estamos certos quanto a uma única coisa, e esta é: quaisquer que tenham sido as causas iniciais, elas tiveram a sua origem na mente de Lúcifer. Deve ter havido um orgulho do ego, por si mesmo nutrido, a ponto de levar Lúcifer a iludir a si próprio, de um modo tal que, durante um certo tempo, realmente ele se persuadiu de que a sua idéia rebelde era, de fato, para o bem do sistema, se não do universo. Quando os seus planos haviam já sido desenvolvidos, a ponto de levá-lo à desilusão, não há dúvida de que ele tinha ido longe demais, para que o seu orgulho original, gerador da desordem, lhe permitisse parar. Em algum ponto nessa experiência, ele tornou-se insincero, e o mal evoluiu para o pecado deliberado e voluntário. A prova de que isso aconteceu está na conduta subseqüente desse brilhante executivo. A ele foi oferecida, desde longa data, a oportunidade para o arrependimento; no entanto, apenas alguns dos seus subordinados aceitaram a misericórdia proferida. Os Fiéis dos Dias de Edêntia, a pedido dos Pais da Constelação, apresentaram pessoalmente o plano de Michael para a salvação desses rebeldes flagrantes, mas a misericórdia do Filho Criador foi sempre rejeitada, e rejeitada com um desprezo e um desdém sempre maiores.

3. O MANIFESTO DE LÚCIFER

Quaisquer que tenham sido as origens primeiras do desacerto nos corações de Lúcifer e de Satã, a explosão final tomou a forma da Declaração de Liberdade de Lúcifer. A causa dos rebeldes foi declarada em três pontos principais:

1. A realidade do Pai Universal. Lúcifer alegava que o Pai Universal não existia realmente, que a gravidade física e a energia do espaço eram inerentes ao universo e que o Pai era um mito, inventado pelos Filhos do Paraíso, para capacitá-los a manterem o governo dos universos em nome do Pai. Ele negava que a personalidade fosse uma dádiva do Pai Universal. E, até mesmo, sugeria que os finalitores estivessem em conspiração com os Filhos do Paraíso, para impor a fraude a toda a criação, posto que nunca voltavam trazendo uma idéia suficientemente clara da personalidade autêntica do Pai, tal como se pode discerni-la no Paraíso. Ele lidava com a reverência como uma ignorância. A acusação era radical, terrível e blasfema. Foi esse ataque velado contra os finalitores, sem dúvida, que influenciou os cidadãos ascendentes, então em Jerusém, levando-os a permanecerem firmes e a manterem-se constantes, resistindo a todas as propostas rebeldes.

2. O governo universal do Filho Criador – Michael. Lúcifer sustentava que os sistemas locais deveriam ser autônomos. Ele protestava contra o direito de Michael, o Filho Criador, de assumir a soberania de Nebadon, em nome de um Pai do Paraíso hipotético; e de exigir de todas as personalidades que reconhecessem lealdade a esse Pai nunca visível. Ele afirmava que todo o plano de adoração era um esquema sagaz para o engrandecimento dos Filhos do Paraíso. Ele estava disposto a reconhecer Michael como o seu Pai-Criador, mas não como seu Deus, nem como o seu governante de direito.

Lúcifer atacava, com muita amargura, o direito dos Anciães dos Dias – “potentados estrangeiros” – de interferir nos assuntos dos sistemas e universos locais. A esses governantes, ele denunciava-os como tiranos e usurpadores. E exortava os seus seguidores a acreditarem que nenhum desses governantes poderia fazer algo que interferisse na operação de conquista de um governo autônomo, desde que homens e anjos tivessem tão só a coragem para afirmar-se a si próprios e, com ousadia, reclamar os seus direitos.

Ele argumentava que os executores dos Anciães dos Dias poderiam ser impedidos de funcionar nos sistemas locais; bastava que os seres nativos
Pág. 604

afirmassem a sua independência. Ele sustentava que a imortalidade era inerente às personalidades do sistema, que a ressurreição era natural e automática e que todos os seres viveriam eternamente, não fossem os atos arbitrários e injustos dos executores dos Anciães dos Dias.

3. O ataque ao plano universal de aperfeiçoamento dos ascendentes mortais. Lúcifer sustentava que um tempo longo demais e uma energia excessiva eram despendidos no esquema de instruir e preparar tão cuidadosamente os mortais ascendentes, nos princípios da administração do universo, princípios estes que, alegava ele, serem sem ética e malsãos. Ele protestava contra o programa, com a duração de idades, de preparo dos mortais do espaço para algum destino desconhecido e apontava a presença do corpo de finalitores em Jerusém como prova de que esses mortais haviam despendido idades na preparação para algum destino que era pura ficção. Apontava, ridicularizando, que os finalitores haviam encontrado um destino não mais glorioso do que o de serem reenviados a esferas humildes, semelhantes àquelas da sua origem. Ele sugeria que os finalitores haviam sido corrompidos por excesso de disciplina e de um aperfeiçoamento prolongado, e que, na realidade, eles eram traidores dos seus companheiros mortais, pois que estavam agora cooperando com o esquema de escravização de toda a criação às ficções de um destino eterno mítico para os mortais ascendentes. Ele advogava que os seres ascendentes deveriam desfrutar da liberdade da autodeterminação individual. E desafiava e condenava todo o plano de ascensão mortal, tal como era fomentado pelos Filhos de Deus do Paraíso e mantido pelo Espírito Infinito.

E foi com tal Declaração de Liberdade que Lúcifer desencadeou a sua orgia de trevas e de morte.

4. A ECLOSÃO DA REBELIÃO

O manifesto de Lúcifer foi emitido no conclave anual de Satânia no mar de cristal, na presença das hostes reunidas de Jerusém, no último dia do ano, cerca de duzentos mil anos atrás, no tempo de Urântia. Satã proclamou que a adoração podia ser dedicada às forças universais – físicas, intelectuais e espirituais – mas que a lealdade poderia apenas ser dedicada ao governante atual e de fato, Lúcifer, o “amigo de homens e anjos” e o “Deus da liberdade”.

A auto-afirmação era o grito de batalha da rebelião de Lúcifer. Um dos seus argumentos principais era o de que, se o autogoverno era bom e justo para os Melquisedeques e outros grupos, seria igualmente bom para todas as ordens de inteligência. Ele era atrevido e persistente em advogar a “igualdade da mente” e “a irmandade da inteligência”. Sustentava que todo governo deveria ser limitado aos planetas locais e que deveria ser voluntária a confederação desses sistemas locais. Ele rejeitava qualquer outra supervisão. Ele prometeu aos Príncipes Planetários que eles governariam os mundos como executivos supremos. Condenava a concentração das atividades legislativas na sede central da constelação e a condução dos assuntos judiciais na capital do universo. Argumentava que todas essas funções do governo deveriam ser centradas nas capitais dos sistemas e começou a estabelecer a sua própria assembléia legislativa e organizou os seus próprios tribunais, sob a jurisdição de Satã. Depois mandou que os príncipes dos mundos apóstatas fizessem o mesmo.

Todo o gabinete administrativo de Lúcifer seguiu-o em um só bloco e prestou um juramento público na qualidade de oficiais da administração da nova direção dos “mundos e sistemas liberados”.
Pág. 605

Ainda que tenha havido anteriormente duas rebeliões em Nebadon, elas aconteceram em constelações distantes. Lúcifer afirmava que essas insurreições não tiveram êxito porque a maioria das inteligências não seguiu os seus líderes. Ele argumentava que a “maioria governa”, que “a mente é infalível”. A liberdade dada a ele pelos governantes do universo sustentou aparentemente muitas das suas opiniões nefandas. Ele desafiou todos os seus superiores; e, ainda assim, aparentemente, eles não deram atenção ao que ele fazia; e ele continuou livre para prosseguir no seu plano sedutor, sem empecílhos, nem entraves.

Lúcifer apontava todos os atrasos misericordiosos da justiça como evidência de incapacidade, da parte do governo dos Filhos do Paraíso, para conter a rebelião. Desafiava abertamente e, com arrogância, provocava Michael, Emanuel e os Anciães dos Dias; e então assinalava o fato de que nenhuma medida era tomada, como sendo uma evidência verdadeira da impotência dos governos do universo e do superuniverso.

Gabriel esteve pessoalmente presente durante o suceder de todos esses procedimentos desleais e apenas anunciou que iria, no devido tempo, falar por Michael, e que todos os seres seriam deixados livres e não seriam forçados nas suas decisões; que o “governo dos Filhos, em nome do Pai, desejava apenas a lealdade e a devoção voluntárias, de coração e à prova de sofismas”.

A Lúcifer foi permitido estabelecer totalmente e organizar cuidadosamente o seu governo rebelde, antes que Gabriel fizesse qualquer esforço para contestar o direito de secessão ou de contradizer a propaganda rebelde. Mas os Pais da Constelação, imediatamente, confinaram a ação dessas personalidades desleais ao sistema de Satânia. Esse período de demora, contudo, foi uma época de grande provação e de testes para os seres leais de todo o Satânia. Durante alguns anos, tudo ficou caótico e houve uma grande confusão nos mundos das mansões.

5. A NATUREZA DO CONFLITO

Quando estourou a rebelião de Satânia, Michael aconselhou-se com Emanuel, o seu irmão do Paraíso. Em seguida a essa importante conferência, Michael anunciou que seguiria a mesma política que havia caracterizado o tratamento que dera a levantes semelhantes no passado: uma atitude de não-interferência.

Na época dessa rebelião e das duas que a precederam, não havia nenhuma autoridade soberana absoluta e pessoal no universo de Nebadon. Michael governava por direito divino, como vice-regente do Pai Universal, mas não ainda pelo seu próprio direito pessoal. Ele não tinha completado a sua carreira de auto-outorgas; e ainda não havia sido investido com “todo o poder nos céus e na Terra”.

Desde o momento da eclosão da rebelião até o dia da sua entronização como governante soberano de Nebadon, Michael nunca interferiu nas forças rebeldes de Lúcifer; a elas foi permitido que tivessem um curso livre por quase duzentos mil anos do tempo de Urântia. Cristo Michael agora tem amplo poder e autoridade para lidar prontamente, e até mesmo sumariamente, com esses rompantes de deslealdade, mas duvidamos que essa autoridade soberana o levasse a agir diferentemente se outro desses levantes ocorresse.

Posto que Michael escolheu permanecer à margem da atividade da guerra, na rebelião de Lúcifer, Gabriel reuniu o seu corpo pessoal de assistentes em Edêntia e, em conselho com os Altíssimos, optou por assumir o comando das hostes leais de Satânia. Michael permaneceu em Salvington, enquanto Gabriel rumou para Jerusém e, estabelecendo-se na esfera dedicada ao Pai – o mesmo Pai
Pág. 606

Universal cuja personalidade Lúcifer e Satã punham em dúvida –, na presença das hostes reunidas das personalidades leais, Gabriel içou a bandeira de Michael, o emblema material do governo da Trindade para toda a criação, os três círculos concêntricos na cor azul-celeste sobre um fundo branco.

O emblema de Lúcifer era uma bandeira branca com um círculo vermelho ao centro, e dentro do qual se inseria um círculo todo em negro.

“Houve guerra nos céus; o comandante de Michael e os seus anjos lutaram contra o dragão (Lúcifer, Satã e os príncipes apóstatas); e o dragão e os seus anjos rebeldes lutaram, mas não prevaleceram.” Essa ‘guerra nos céus” não foi uma batalha física, como um conflito dessa ordem poderia ser concebido em Urântia. Nos primeiros dias da luta, Lúcifer permaneceu continuamente no anfiteatro planetário. Gabriel conduziu uma interminável exposição dos sofismas rebeldes da sua sede central estabelecida nas cercanias. As várias personalidades presentes à esfera, e que estavam em dúvida quanto à própria atitude, iam e voltavam em meio a essas discussões, até que chegaram a uma decisão final.

Mas essa guerra nos céus foi muito terrível e muito real. Ainda que não tenha exibido as barbaridades tão características da guerra física dos mundos imaturos, esse conflito foi muito mais mortal; a vida material fica em perigo no combate material, mas a guerra nos céus foi travada em termos de vida eterna.

6. UM COMANDANTE SERÁFICO LEAL

Houve muitos atos nobres e inspiradores de devoção e lealdade, realizados por inúmeras personalidades, no período entre a explosão das hostilidades e a chegada do novo governante do sistema com o seu corpo de assistentes, mas o mais emocionante de todos os feitos audaciosos de devoção foi a conduta corajosa de Manotia, o segundo no comando da sede central dos serafins de Satânia.

No eclodir da rebelião em Jerusém, o chefe das hostes seráficas uniu-se à causa de Lúcifer. Isso, sem dúvida, explica por que um número tão grande da quarta ordem, a dos serafins administradores do sistema, transviou-se. O líder seráfico ficou espiritualmente cego pela personalidade brilhante de Lúcifer; os seus modos encantadores fascinaram as ordens inferiores de seres celestes. Eles simplesmente não podiam compreender como era possível que uma personalidade tão deslumbrante errasse.

Não há muito tempo, ao descrever as experiências ligadas ao começo da rebelião de Lúcifer, Manotia disse: “Mas o meu momento mais embriagante foi a aventura emocionante ligada à rebelião de Lúcifer, quando, como segundo comandante seráfico, eu me recusei a participar do projeto de insultar Michael; e os poderosos rebeldes procuraram destruir-me por intermédio das forças de ligação que haviam formado. Houve um tremendo levante em Jerusém, mas nenhum serafim leal sofreu danos.

"Quando aconteceu que o meu superior imediato entrou em falta, a responsabilidade de assumir o comando das hostes angélicas de Jerusém recaiu sobre mim, na qualidade de diretor titular dos confusos assuntos seráficos do sistema. Apoiado moralmente pelos Melquisedeques, assistido habilmente por uma maioria de Filhos Materiais, fui desertado por um enorme grupo da minha própria ordem, tendo sido porém magnificamente apoiado pelos mortais ascendentes em Jerusém.

"Tendo sido automaticamente excluídos dos circuitos da constelação, por causa da secessão de Lúcifer, ficamos dependentes da lealdade do nosso corpo de informação, que, a partir do sistema vizinho de Rantúlia, transmitia os chamados de ajuda a Edêntia; e verificamos que o reino da ordem, o intelecto da lealdade e o espírito
Pág. 607

da verdade achavam-se inerentemente triunfantes sobre a rebelião, a afirmação do ego e a chamada liberdade pessoal; pudemos então prosseguir até a chegada do novo Soberano do Sistema, o digno sucessor de Lúcifer. Imediatamente depois, fui designado para o corpo de administradores provisórios Melquisedeques de Urântia. E eu assumi a jurisdição sobre as ordens seráficas leais, no mundo do traidor Caligástia, o qual havia proclamado a sua esfera como membro do recém-projetado sistema de ‘mundos liberados e de personalidades emancipadas’, proposto na infame Declaração de Liberdade, emitida por Lúcifer no seu apelo às ‘inteligências amantes da liberdade, do livre pensamento e orientadas para o porvir dos mal administrados e mal governados mundos de Satânia’”.

Esse anjo, Manótia, ainda está a serviço em Urântia, na função de comandante associado dos serafins.

7. A HISTÓRIA DA REBELIÃO

A rebelião de Lúcifer teve como âmbito todo o sistema. Trinta e sete Príncipes Planetários em secessão levaram as administrações dos seus mundos para o lado dos líderes rebeldes. Apenas em Panóptia, o Príncipe Planetário fracassou ao tentar levar o seu povo com ele. Nesse mundo, sob a liderança dos Melquisedeques, o povo congregou-se em apoio a Michael. Elanora, uma jovem mulher daquele reino mortal, tomou a liderança das raças humanas nas próprias mãos e nem uma única alma daquele mundo transtornado alistou-se sob a bandeira de Lúcifer. E, desde então, esses leais Panoptianos têm servido no sétimo mundo de transição de Jerusém, como cuidadores e construtores na esfera do Pai e nos sete mundos de detenção que o circundam. Os Panoptianos além de atuar como custódios literais desses mundos, também executam as ordens pessoais de Michael ligadas à ornamentação dessas esferas para algum uso futuro desconhecido. Eles fazem esse trabalho enquanto permanecem ali, a caminho de Edêntia.

Ao longo desse período, Caligástia advogava a causa de Lúcifer, em Urântia. Os Melquisedeques opuseram-se habilmente ao Príncipe Planetário apóstata, mas os sofismas de uma liberdade sem limites e as ilusões da auto-afirmação tiveram todas as oportunidades para enganar os povos primitivos de um mundo jovem e sem desenvolvimento.

Toda a propaganda da secessão teve de ser feita por meio do esforço pessoal, porque o serviço de transmissão e todas as outras vias de comunicação interplanetária foram suspensos pela ação dos supervisores dos circuitos do sistema. No momento da eclosão da insurreição, todo o sistema de Satânia ficou isolado, tanto dos circuitos da constelação, quanto dos circuitos do universo. Durante esse tempo, todas as mensagens que chegavam e que saíam eram despachadas por agentes seráficos e Mensageiros Solitários. Os circuitos para os mundos caídos também foram cortados, de modo que Lúcifer não pudesse utilizar essa via para fomentar o seu esquema nefando. E esses circuitos não serão restaurados enquanto o rebelde supremo viver dentro dos confins de Satânia.

Essa foi uma rebelião Lanonandeque. As ordens mais elevadas de filiação do universo local não se ligaram à secessão de Lúcifer, se bem que uns poucos Portadores da Vida estacionados nos planetas rebeldes hajam sido um pouco influenciados pela rebelião dos príncipes desleais. Nenhum dos Filhos Trinitarizados transviou-se. Todos os Melquisedeques, os arcanjos e os Brilhantes Estrelas Vespertinos permaneceram leais a Michael e, com Gabriel, valentemente combateram pela vontade do Pai e pelo governo do Filho.
Pág. 608

Nenhum ser originário do Paraíso esteve envolvido em deslealdades. Junto com os Mensageiros Solitários, eles tomaram as sedes centrais do mundo do Espírito, as quais permaneceram sob a liderança dos Fiéis dos Dias de Edêntia. Nenhum dos conciliadores cometeu apostasia, nem um só dos Registradores Celestes transviou-se. Contudo houve grandes perdas entre os Companheiros Moronciais e os Educadores dos Mundos das Mansões.

Da ordem suprema dos serafins, nem um anjo foi perdido, mas um grupo considerável da próxima ordem, a superior, foi enganado e caiu na armadilha. Do mesmo modo, desviaram-se uns poucos da terceira ordem de anjos, a dos supervisores. O colapso mais terrível, contudo, produziu-se no quarto grupo, o dos anjos administradores, ou seja, o dos serafins que são designados normalmente para os deveres das capitais dos sistemas. Manotia salvou quase dois terços deles, mas um pouco mais que um terço seguiu os chefes, indo para as fileiras rebeldes. Um terço de todos os querubins de Jerusém, ligado aos anjos administradores, foi perdido junto com os seus serafins desleais.

Dos ajudantes planetários angélicos, designados para os Filhos Materiais, cerca de um terço foi enganado, e quase dez por cento dos ministros de transição caíram na armadilha. João viu isso simbolicamente quando escreveu sobre o grande dragão vermelho, dizendo: “E a sua cauda atraiu uma terça parte das estrelas do céu e jogou-as na obscuridade”.

A maior perda ocorreu nas fileiras angélicas, e a maior parte das ordens inferiores de inteligência envolveu-se na deslealdade. Dos 681 217 Filhos Materiais perdidos em Satânia, noventa e cinco por cento foram vítimas da rebelião de Lúcifer. Um grande número de criaturas intermediárias perdeu-se nos planetas individuais cujos Príncipes Planetários uniram-se à causa de Lúcifer.

Sob muitos aspectos, essa rebelião foi a de maior magnitude e a mais desastrosa de todas as ocorrências semelhantes, em Nebadon. Mais personalidades estiveram envolvidas nessa insurreição do que em ambas as outras. E foi para a sua eterna desonra que os emissários de Lúcifer e Satã não pouparam as escolas de educação infantil no planeta cultural finalitor, procurando corromper logo essas mentes em evolução, misericordiosamente salvas dos mundos evolucionários.

Os mortais ascendentes, mesmo sendo vulneráveis, resistiram aos sofismas da rebelião, com mais facilidade do que os espíritos menos elevados. Conquanto hajam caído, nos mundos mais baixos das mansões, muitos mortais que ainda não haviam alcançado a fusão final com os seus Ajustadores, ficou registrado, para a glória da sabedoria do esquema de ascensão, que nem um membro sequer, com cidadania ascendente em Satânia e residente em Jerusém, participou da rebelião de Lúcifer.

Hora após hora e dia após dia, as estações de transmissão de todo o Nebadon estavam repletas de observadores ansiosos, de todas as classes imagináveis de inteligências celestes, que examinavam avidamente os boletins da rebelião de Satânia e rejubilavam-se quando os relatos narravam continuamente sobre a lealdade inflexível dos mortais ascendentes, que, sob a liderança dos Melquisedeques, resistiram com êxito aos esforços combinados e prolongados de todas as forças sutis do mal, as quais tão rapidamente se haviam congregado em torno das bandeiras da secessão e do pecado.

Decorreram mais de dois anos, do tempo do sistema, desde o começo da “guerra nos céus” até a instalação do sucessor de Lúcifer. E afinal veio o novo soberano, aterrissando no mar de cristal com os seus assistentes. Eu estava entre as reservas mobilizadas, em Edêntia, por Gabriel; e bem me lembro da primeira mensagem de Lanaforge ao Pai da Constelação de Norlatiadeque. Dizia: “Não se perdeu um único cidadão de Jerusém. Todos os mortais ascendentes sobreviveram à dura prova e emergiram
Pág. 609

triunfantes e vitoriosos do teste crucial”. E uma mensagem chegou em Salvington, em Uversa e no Paraíso, transmitindo a certeza de que a experiência de sobreviver, na ascensão mortal, é a maior proteção contra a rebelião e a salvaguarda mais segura contra o pecado. Esse nobre grupo somava exatamente 187 432 811 mortais fiéis.

Com a chegada de Lanaforge, os líderes rebeldes foram destronados e afastados de todos os poderes governantes, embora se lhes tenha sido permitido transitar livremente em Jerusém, nas esferas moronciais e mesmo nos mundos individuais habitados. Eles continuaram com os seus esforços sedutores e enganadores, confundindo e desorientando as mentes de homens e anjos. Mas, no que concernia ao seu trabalho no monte administrativo de Jerusém, “não houve mais lugar para eles”.

Embora Lúcifer haja sido despojado de toda autoridade administrativa em Satânia, não existia então, no universo local, nenhum poder, nem tribunal que pudesse deter ou destruir esse rebelde perverso; naquela época, Michael não era um governante soberano. Os Anciães dos Dias apoiaram os Pais da Constelação, na sua tomada do governo do sistema, mas eles nunca baixaram nenhuma medida subseqüente, nas muitas apelações, ainda pendentes, com respeito ao status atual e à sorte futura de Lúcifer, de Satã e dos seus parceiros.

Assim, pois, foi permitido a esses rebeldes supremos perambularem pelo sistema inteiro, a fim de buscar maior penetração para as suas doutrinas de descontentamento e de auto-afirmação. Todavia, durante quase duzentos mil anos do tempo de Urântia, eles não foram capazes de enganar nenhum outro mundo mais. Nenhum outro dos mundos de Satânia foi perdido, desde a queda dos trinta e sete, nem mesmo aqueles mundos mais jovens povoados desde os dias da rebelião.

8. O FILHO DO HOMEM EM URÂNTIA

Lúcifer e Satã perambularam livremente pelo sistema de Satânia, até que se completou a missão de auto-outorga de Michael em Urântia. Estiveram no vosso mundo juntos, e, pela última vez durante a época da investida combinada que praticaram contra o Filho do Homem.

Antes, quando os Príncipes Planetários, os “Filhos de Deus”, reuniam-se periodicamente, “Satã também se juntava a eles”, reivindicando ser ele quem representava todos os mundos isolados dos Príncipes Planetários caídos. Contudo não lhe foi mais permitida essa liberdade em Jerusém, desde a auto-outorga terminal de Michael. Depois do esforço deles de corromper Michael quando encarnado em auto-outorga, toda a compaixão por Lúcifer e Satã esvaiu-se em toda a Satânia, isto é, fora dos mundos isolados em pecado.

A auto-outorga de Michael pôs fim à rebelião de Lúcifer, em toda a Satânia, com exceção dos planetas dos Príncipes Planetários apóstatas. E é este o significado, na experiência pessoal de Jesus, pouco antes da sua morte na carne, quando um dia ele exclamou para os seus discípulos: “E eu contemplo Satã caindo do céu como um raio”. Ele tinha vindo, com Lúcifer, até Urântia, para a última luta crucial.

O Filho do Homem estava confiante no êxito e sabia que o seu triunfo, no vosso mundo, estabeleceria para sempre o status desses inimigos de toda uma era, não apenas em Satânia, mas também nos outros dois sistemas, onde o pecado havia entrado. A sobrevivência, para os mortais, e a segurança, para os anjos, foram afirmadas quando o vosso Mestre, em resposta às propostas de Lúcifer, calmamente e com a certeza divina, respondeu: “Vai retro, Satã”. Esse foi, em princípio, o fim real da rebelião de Lúcifer. É bem verdade que os tribunais de Uversa ainda não emitiram a sentença executiva a respeito do
Pág. 610

apelo de Gabriel, suplicando pela destruição dos rebeldes, mas esse decreto irá, sem dúvida, ser emitido com o completar do tempo, pois que o primeiro passo na audiência desse caso já foi dado.

Caligástia foi reconhecido, pelo Filho do Homem, como sendo tecnicamente o Príncipe de Urântia, até perto da época da morte de Jesus. Disse Jesus: “Agora é o juízo deste mundo; agora o príncipe deste mundo será deposto”. E então, ainda mais perto de completar o trabalho da sua vida, ele anunciou: “O Príncipe deste mundo está julgado”. E é este mesmo Príncipe destronado e desacreditado que certa vez foi chamado de “Deus de Urântia”.

O último ato de Michael antes de deixar Urântia foi o de oferecer misericórdia a Caligástia e a Daligástia, mas eles desdenharam essa oferta afetuosa. Caligástia, o vosso Príncipe Planetário apóstata, ainda está em Urântia, livre para continuar os seus desígnios nefandos, mas não tem absolutamente nenhum poder para entrar nas mentes dos homens, nem pode aproximar-se das suas almas para tentá-las ou corrompê-las, a menos que elas realmente desejem ser amaldiçoadas pela sua presença perversa.

Antes da auto-outorga de Michael, esses governantes das trevas procuraram manter a sua autoridade em Urântia, e obstinadamente resistiram às personalidades celestes menores e subordinadas. Todavia, desde o dia de Pentecostes, esses traidores, Caligástia e seu igualmente desprezível parceiro, Daligástia, passaram a ser servis diante da majestade divina dos Ajustadores do Pensamento do Paraíso e diante do Espírito da Verdade protetor, o espírito de Michael que foi efusionado em toda a carne.

Mesmo assim, porém, nunca espírito caído algum teve o poder de invadir as mentes ou de acossar as almas dos filhos de Deus. Nem Satã, nem Caligástia não poderiam nunca tocar, nem se aproximar dos filhos de Deus pela fé; a fé é uma armadura eficaz contra o pecado e a iniqüidade. É verdade que: “Aquele que nasceu de Deus, guarda-se, e o maligno não toca nele”.

Em geral, quando se supõe que os mortais fracos e dissolutos estão sob a influência de diabos e demônios, eles estão meramente sendo dominados pelas suas próprias tendências vis inerentes, sendo transviados pelas suas próprias propensões naturais. Ao diabo tem sido dada uma grande quantidade de crédito, por um mal que não pertence a ele. Caligástia tem sido relativamente impotente, desde a cruz de Cristo.

9. O STATUS ATUAL DA REBELIÃO

Nos primeiros dias da rebelião de Lúcifer, a salvação foi oferecida a todos os rebeldes, por Michael. A todos aqueles que dessem prova de arrependimento sincero, ele ofereceu o perdão, quando chegasse a alcançar a sua soberania completa no universo, e o restabelecimento em alguma forma de serviço no universo. Nenhum dos líderes aceitou essa oferta misericordiosa. Mas milhares de anjos e ordens inferiores de seres celestes, incluindo centenas de Filhos e Filhas Materiais, aceitaram a misericórdia proclamada pelos Panoptianos e lhes foi dada a reabilitação na época da ressurreição de Jesus, há cerca de mil e novecentos anos. Esses seres, desde então, foram transferidos para o mundo do Pai, em Jerusém, onde devem ser mantidos, tecnicamente, até as cortes de Uversa baixarem uma decisão sobre o caso de Gabriel versus Lúcifer. Contudo, ninguém duvida de que, quando o veredicto da aniquilação for emitido, essas personalidades arrependidas e salvas ficarão eximidas do decreto de extinção. Tais almas, em provação, trabalham agora com os Panoptianos na tarefa de cuidar do mundo do Pai.
Pág. 611

O arquifarsante nunca mais esteve em Urântia, depois dos dias em que tentou desviar Michael do propósito de completar a auto-outorga e de estabelecer a si próprio, final e seguramente, como o governante irrestrito de Nebadon. Quando Michael tornou-se o soberano estabelecido do universo de Nebadon, Lúcifer foi levado em custódia pelos agentes dos Anciães dos Dias de Uversa e, desde então, tem estado prisioneiro, no satélite de número um, do grupo do Pai, nas esferas de transição de Jerusém. E, ali, os governantes de outros mundos e sistemas podem contemplar o fim do infiel Soberano de Satânia. Paulo sabia do status desses líderes rebeldes, depois da auto-outorga de Michael, pois escreveu sobre os chefes de Caligástia como as “hostes espirituais da maldade, nas regiões celestes”.

Michael, ao assumir a soberania suprema de Nebadon, solicitou aos Anciães dos Dias a autoridade para internar todas as personalidades que participaram da rebelião de Lúcifer, até serem emitidas as sentenças dos tribunais do superuniverso para o caso Gabriel versus Lúcifer, assentado nos registros da suprema corte de Uversa há quase duzentos mil anos, na medida de tempo adotada por vós. A respeito do grupo da capital do sistema, os Anciães dos Dias concederam o pedido de Michael, mas com uma única exceção: a Satã foi permitido fazer visitas periódicas aos príncipes apóstatas nos mundos caídos, até um outro Filho de Deus ser aceito por esses mundos apóstatas, ou até o tempo em que as cortes de Uversa comecem o julgamento do caso de Gabriel versus Lúcifer.

Satã podia vir a Urântia, porque vós não tínheis nenhum Filho de categoria com residência aqui – nem Príncipe Planetário, nem Filho Material. Machiventa Melquisedeque, desde então, foi proclamado Príncipe Planetário vice-regente de Urântia, e a abertura do caso Gabriel versus Lúcifer assinalou a inauguração de regimes planetários temporários, em todos os mundos isolados. É verdade que Satã visitou periodicamente Caligástia e outros dos príncipes caídos, exatamente até o momento da apresentação dessas revelações, quando aconteceu a primeira das audiências solicitadas por Gabriel para o aniquilamento dos líderes rebeldes. Satã, no entanto, está agora incondicionalmente detido nos mundos de prisão de Jerusém.

Desde a auto-outorga final de Michael, ninguém, em todo o Satânia, desejou ir aos mundos de prisão para ministrar aos rebeldes internados. E nenhum outro ser foi conquistado pela causa dos enganadores. Por mil e novecentos anos, tal status não sofreu alteração.

Nós não antecipamos uma eliminação das restrições atuais em Satânia, antes que os Anciães dos Dias hajam tomado uma decisão final sobre os líderes rebeldes. Os circuitos do sistema não serão reinstalados enquanto Lúcifer estiver vivo. Nesse meio tempo, ele está totalmente inativo.

A rebelião terminou em Jerusém. Ela cessa, nos mundos caídos, tão logo os Filhos divinos cheguem até eles. Acreditamos que todos os rebeldes que algum dia iriam aceitar a misericórdia já o fizeram. Aguardamos pela teletransmissão que, em um clarão de relâmpago, irá privar esses traidores da existência da sua personalidade. Antecipamos que o veredicto de Uversa, a ser anunciado nessa transmissão, indicará a ordem de execução que irá efetivar a aniquilação desses rebeldes aprisionados. E então vós ireis procurá-los nos lugares deles, mas eles não serão encontrados. “E aqueles que vos conhecem, entre os mundos, espantar-se-ão convosco; vós fostes um terror, mas nunca mais o sereis novamente”. E assim todos esses traidores indignos “serão como se nunca tivessem existido”. Todos aguardam o decreto de Uversa.

Contudo, durante idades, os sete mundos de prisão, de escuridão espiritual em Satânia, constituíram um solene aviso para todo o Nebadon, proclamando eloqüente e efetivamente a grande verdade “de que o caminho do transgressor é duro”;
Pág. 612

“pois dentro de cada pecado está oculta a semente da sua própria destruição”; e que “a recompensa do pecado é a morte”.

[Apresentado por Manovandet Melquisedeque, anteriormente vinculado à administração provisória de Urântia.]


A HISTÓRIA DE LÚCIFER

Canalizações Especiais - Conferência por Rodrigo Romo.

Hotel Sheraton, Lisboa, 25 de Fevereiro de 2005

(Os comentários entre parênteses são de Vitorino de Sousa, que fez a transcrição e a adaptação do que foi dito)

Boa noite. Obrigado pela presença.

Bom, o tema para hoje é um tanto ou quanto crítico e problemático, pois aborda aspectos religiosos pesados: como é que Lúcifer penetra na estrutura religiosa terrestre há mais de 450 000 anos? Como é que, ao longo da história da Humanidade, vários semideuses (extraterrestres de várias civilizações galácticas) - os chamados “anjos caídos” - foram confundidos com Lúcifer que, por sua vez, foi confundido com Satã ou a seita de Baal, dos Sumerianos?... A Ordem do Dragão Negro surgiu na região central de Órion, na estela Rigel. Esta estrela representa o berço das raças reptilianas, os Dracos, formatados a partir de um propósito essencial: sobrevivência biológica, mental, e emocional nas piores condições geológicas e ambientas de existência.

Vejamos desde o início:

O Co-criador do nosso universo local, Nebadon, é Micah (Sananda/Jesus). A Astronomia afirma que a nossa galáxia (Via Láctea) está localizada no chamado quadrante das 21 galáxias, que é considerado uma zona de livre arbítrio pelo Comando Estelar. Neste quadrante existe uma proposta evolutiva multi-racial e multinacional (há outras) onde todos os Filhos viventes têm o direito de aprender a ser co-criadores com Deus. Neste sentido, as Mónadas Superiores de Escala Maior, que dão origem ao nosso Eu Superior, manifestam-se através de um processo de encarnação, por via da alma. Daí surge a fragmentação de almas e o primeiro arquétipo da “alma gémea”… que passamos a vida a procurar e nunca encontramos.[1] Então, neste quadrante das 21 galáxias – regido por Sananda/Jesus - todos os seres cósmicos das Hierarquias dos Arcanjos, Serafins, Querubins, Elohins, etc., manifestaram o propósito de criar, não um, mas vários protótipos existenciais. O nome de Sananda começou a tornar-se conhecido, substituindo a energia de Jesus, porque sempre que as pessoas se lembravam de Jesus Cristo, lembravam-se de Jesus crucificado. Por isso, foi necessário mudar esse conceito para uma visão de uma entidade alegre e carinhosa. Mas é o mesmo ser.

Segundo os escritos de recebidos por canalização, Nebadon tem cerca de 200 biliões de anos. Mas, como tal é possível se a Astrofísica afirma que o nosso Universo tem somente cerca de 15 a 22 biliões de anos? Esse valor está correcto mas diz respeito à manifestação física, palpável, que os cientistas registam através de técnicas desse próprio plano físico, mas que não conseguem captar os outros cerca 90% da matéria do Universo. Qual é o maior enigma actual da Astrofísica? É que os mais de 100 biliões de galáxias já detectadas pelo telescópio espacial Houble representam apenas de 8 a 12% da massa total do Universo. Onde está o resto? Trata-se de uma energia invisível, que está além do plano físico. É aqui que surge a Teoria Quântica das realidades paralelas. Desta forma, passa a ser compreensível a informação, recebida por canalização, de que o nosso Universo tem cerca de 200 biliões de anos, porque estamos a lidar com uma idade não relacionada com a fisicalidade que nós percepcionamos, mas sim com os outros planos paralelos transdimensionais… que é, precisamente, onde actua Shtareer, que me foi fornecendo essas datas.

Image resized to : 83 % of its original size [ 600 x 450 ]

Mas, afinal, como chegamos a Lúcifer?

Quando essas 21 galáxias foram estruturadas, cada uma delas recebeu uma Hierarquia Administrativa que faria a gerência e a produtividade, ao nível da qualificação e da quantidade das almas a serem distribuídas pelo Processo Evolutivo. Os famosos Arcanjos foram distribuídos para fazerem a vistoria geral de cada galáxia, trabalhando com pequenas constelações onde iria ser colocado o Projecto de Vida. A responsabilidade pela zona chamada “Braço de Órion” ou “Constelação de Órion” foi atribuída a Lúcifer, o 37º Arcanjo “abaixo” de Deus (Micah). Diz-se, inclusive, que é o Arcanjo mais célebre da Criação. A sua função era, pois, administrar e reger os processos evolutivos de todas as raças pertencentes ao braço espiral de Órion, ao qual nós pertencemos.

Anágora é uma galáxia vizinha da nossa Via Láctea, situada a cerca de 3255 milhões de anos-luz, mas tem uma regência diferente. Quando surgiu a frase cósmica “Crescei e multiplicai-vos”, ela foi aplicada a todas as partes do Universo, sem excepção. Então, todos os Seres das Ordens Espirituais começaram a procriar. O Ser que equivale a Jesus (Micah/Sananda) em Anágora chama-se Anhotak. É um ser da Ordem de Lanonadeck que habita a 15ª dimensão de consciência.[2] Também ele, evidentemente, respeitou a instrução do Pai: “Crescei e multiplicai-vos”, e começou a multiplicar-se naquela galáxia, que escolhera como o seu Centro de Procriação. Mas descobriu uma coisa fantástica, extremamente interessante e muito profunda: ele podia “alimentar-se” das emoções e das percepções dos seus Filhos. Anhotak tinha descoberto uma fonte inesgotável de “alimento”, êxtase e autocrescimento. Portanto, esta era uma forma magnífica (e diferente!) de co-criar, crescer e evoluir. E, no início, os seus filhos sempre acabavam por regressar a ele, com todo o conhecimento adquirido através das experiências vividas ao longo do seu desenvolvimento, já que a frase real não é “Crescei e multiplicai-vos”, mas “Crescei, multiplicai-vos e regressai a mim”. Mas o Arcanjo Anhotak passou a “esquecer-se” desta última parte da frase e deixou de permitir que os seus Filhos voltassem para a Casa do Pai.

Esta é a grande diferença que separa Anhotak (galáxia Anágora) de Sananda (galáxia Via Láctea).

Um parêntese para dizer o seguinte:

1) A Hierarquia Arcangélica trabalha o aspecto espiritual da evolução.

2) A Hierarquia dos Elohins trabalha com a estabilidade atómico/molecular dos corpos, inclusive o físico.

3) A Ordem Lanonadek (Lúcifer) é a responsável pela fixação dos padrões de ADN, que cristalizarão a forma de vida material. São os geneticistas, por assim dizer.

Então, como geneticista, o papel de Lúcifer era co-criar. Portanto, era ele que “assinava” a documentação relacionada com esses projectos. É considerado o Deus Criador em muitos planetas do nosso quadrante, porque, na consciência desses seres, Lúcifer era o autor dos seus moldes biológicos. Por isso, em muitas das nossas religiões antigas - Atlântida, Lemúria, Suméria, etc. - se fala de Baal e Lúcifer. Para toda essa gente ele era o co-criador racial, era a Regência Máxima.

Mas vejamos outros aspectos:

À medida que cada planeta foi evoluindo e envolvendo-se com a proposta energética de Lúcifer, a população começou a criar um holograma dessa entidade na sua consciência e na do planeta. Da mesma forma que nós temos um holograma de Jesus crucificado, de St. Germain e tantos outros seres que conhecemos ou de quem “ouvimos falar” - criado pelas nossas formas-pensamento, que projectam uma energia (capaz de formar uma “imagem” na consciência) - também os povos desses planetas criaram um holograma de Lúcifer de acordo com a suas crenças. Isto originou um holograma multidimensional da consciência de Lúcifer, fragmentada na cultura religiosa de cada um desses povos.

É aqui que começa o grande problema. Porquê?

Porque, muito tempo depois, a guerra (como consequência do alto índice de negatividade dos padrões genéticos) chegou ao ponto culminante de destruir 7 ou 8 estrelas, com seus respectivos planetas e populações – uma chacina absurda. É então que, pela primeira vez na história conhecida das nossas civilizações estelares, a Confederação Intergaláctica intervém, através de Shtareer, de Miguel e outras Hierarquias Superiores, impedindo o confronto físico e pondo finalmente ordem na situação.

Neste contexto, o que é que foi determinado?

Todos os seres que tinham violado a primeira lei “Não matarás”, a segunda lei “Ama o próximo como a ti mesmo”, e a terceira lei “Respeita o livre arbítrio do próximo”, foram encerrados numa grande Barreira de Frequência (véu) e chamados às suas responsabilidades reiniciando o seu ciclo de reencarnações em 37 planetas de exílio (entre eles a Terra). Trata-se de um exílio temporário para, partindo de um novo ADN contendo a herança hereditária de todos os grandes impérios (que se guerreavam entre si), acabar de vez com a competitividade. É assim que o ADN dos Humanos terrestres possui uma carga hereditária das 22 Raças Cósmicas que se odiavam entre si, por motivos religiosos, políticos, etc. Portanto, como a nossa alma, durante muitas encarnações, encarnou na Raça Reptiliana - que não podia ver a Raça Humana - foi obrigada a encarnar também como Humana. Ou seja, para acabar de vez com a percepção psicológica, vivida no passado, da competitividade de uma Raça em relação a outra, a alma teve de encarnar aqui, guardando a herança hereditária de todas as raças que achava serem suas inimigas.

Image resized to : 94 % of its original size [ 527 x 800 ]

Este foi o Grande Plano… que Lúcifer também apoiou.

A verdade é que, no princípio, não se sabia até que ponto uma alma, com o ADN manipulado negativamente, poderia levar a sua maldade. Naquele momento da História Galáctica não se conhecia o limite da maldade. Aliás, nem se sabia que a maldade era ilimitada. Por conseguinte, o problema existia porque Lúcifer apostou num projecto sem estar precavido, sem estar devidamente apoiado, até juridicamente. Lúcifer não sabia o que poderia acontecer. Era uma incógnita. Quando ele se dirigia ao Pai e lhe perguntava: “O que é que vai acontecer?”… Micah não respondia! Não respondia porque nunca tinha estado aqui em baixo. Micah partia do princípio que uma alma divina provinha de Deus. Por mais que descesse até aqui para brincar à “dualidade”, sendo umas vezes boazinha e outras vezes mazinha, manter-se-ia num parâmetro de equilíbrio. Portanto, o desequilíbrio criado artificialmente, por via genética, por Satã e seus Irmãos, jamais cabia na cabeça de Sananda. Isso era algo impossível. Desta forma, Lúcifer nunca obtinha uma resposta do Comando Superior acerca do que eles achavam do projecto. É essa falta de comunicação que Lúcifer expõe nos seus escritos.

O opositor do projecto foi Gabriel, pois, a longo prazo, apercebera-se de que a coisa não ir ser tão fácil quanto se imaginava. Mas Lúcifer julgou que bastaria colocar uma Barreira de Frequência para limitar o processo. Ninguém imaginava que a coisa chegasse onde chegou e que as nossas limitações genéticas criariam uma “bomba atómica” emocional.

Imaginem todos nós, trancados aqui (nesta sala) a pão e água; não tardaria a atingirmos o desespero. Foi o que aconteceu no cosmos!

É por isso que cada um de nós está a passar por esse processo, vivendo em sociedades altamente racionais e evoluídas tecnologicamente (mas com baixo índice de espiritualidade). Desenvolvemos a percepção emocional e racional, e aprendemos a respeitar aquilo que temos como certo. Portanto, tudo foi manipulado de uma forma totalmente indevida pelas hostes intermediárias… cujos membros acabaram também por cair na dualidade (tendo de passar a encarnar), por terem seguido projecto de Anhotak, totalmente desarmónico em relação ao projecto original do Arcanjo Miguel.

Por conseguinte, havia uma segregação energética: as Hierarquias de Luz Crísticas orbitavam lá em cima e as outras orbitavam aqui em baixo. Estas, porém, não eram más; não se tratava de seres malvados; apenas tinham propostas diferentes. Cada Raça, do seu ponto de vista, achava-se na razão do que pregava. Porém, muito frequentemente usavam a guerra como forma de comunicarem os seus valores.

Foi essa forma de agir que saiu do controlo.

Quando começou o exílio nos 37 planetas, quem é que pagou a conta?... Lúcifer, pois fora ele que assinara o projecto!

Aqui na Terra, com a manipulação religiosa, consideramos Lúcifer como um grande Anjo Caído. Mas quem era o seu colaborador directo?... Satã, que fora chamado para a Terra, que estava perto de Rigel (700 anos-luz aproximadamente) onde tinham ocorrido os maiores confrontos bélicos. Aliás, Satã já tinha desenvolvido alguns projectos, como Maldek[3] e Niburú, que também não tinham dado um resultado muito harmónico. Então, devido ao aprisionamento terrestre dos seres das 22 raças, as religiões por eles formadas são baseadas em Baal e em Marduk, os nomes herméticos de Lúcifer.

É em face destas situações culturais e religiosas que começam a surgir os seres da Ordem Crística (como Miguel postulara para acabar com a situação satânica). Sanat Kumara, por exemplo, vindo de Vénus há 18.6 milhões de anos, funda na Terra a famosa Fraternidade Azul de Vénus, que acabaria por se tornar na Fraternidade Branca da Terra. Com a chegada dessa Entidade, a Terra inicia um processo de evolução através do Cristo, confrontando a evolução pela dor e pela terminologia dos Filhos de Satã. Nasce assim uma nova etapa evolutiva da Terra, onde começa surgir a imagem negativa de Lúcifer como um Anjo Caído. A Humanidade, através de rituais de oferendas de magia negra, cria um arquétipo de um falso Lúcifer de 6D, porque a maior parte dos seres espaciais, caídos ou renegados, eram de 5D e 6D. Surge então o holograma do Lúcifer terrestre de 6D, porque na verdade, ele nunca esteve aqui (3D). Quem esteve aprisionado aqui foi Satã. E nós confundimos os dois!

Desta forma, no plano astral e no Umbral, começa a surgir um holograma do “diabo”, formatado por nós através da magia negra, ao qual, erradamente, demos o nome de Lúcifer e outros nomes, que se referem a antigos Comandantes Estelares extraterrestres aprisionados na Terra para passarem pelo processo evolutivo encarnacional, mesmo no Umbral, a fim de corrigirem o desvio infligido sobre a Humanidade através da manipulação genética. Assim se formatam os Tronos do Umbral – a que a tradição religiosa chama “inferno”. Foi neste processo que separámos o Céu da Terra, à superfície ou no subsolo. Por isso, muitas pessoas se assustam quando ouvem falar dos intraterrenos, porque acham que qualquer ser intraterreno é um ser negativo. Mas isso não existe.[4]

Então, o que é que surge desta situação?

Há mais de 450.000 anos começam a formar-se Impérios Umbralinos, digamos assim. O Umbral da Terra e dos outros 36 planetas, têm sete dimensões para baixo, cada uma delas subdividida em 7 frequências, o que totaliza 49 níveis de Umbral ou 49 “infernos”, cada um deles com uma regência específica. Foi por estes diversos níveis que estes seres negativados se subdividiram. Desta forma, os Tronos dos Potentados da Luz controlam a nossa evolução e os Tronos Negativados do Umbral controlam a evolução umbralina. E nós estamos no meio! Portanto, nós subimos ou descemos consoante as nossas escolhas e manifestações. Podemos assim explicar as Religiões, o Ocultismo, o Espiritismo, tal como os Comandos Estelares e a verdadeira origem de Lúcifer dentro de todo este contexto.

Como se disse, o Arcanjo Lúcifer nunca esteve na Terra, encarnado ou aprisionado; esteve supervisionando. Num encontro que tivemos extrafisicamente, ele deu-me a entender que foi leviano, foi um Pai que não soube colocar o Filho no seu verdadeiro lugar. Foi libertino ao passar a mão na cabeça do Filho (Satã) sem saber o que esse Filho andava a congeminar. Portanto, a grande falha de Lúcifer foi ter sido totalmente conveniente e não se ter preocupado detalhadamente com o processo. Essa foi a grande falha dele. Mas o “diabo” – como lhe chamavam – já se retratou perante Sananda/Jesus e começou a trabalhar em prol no grande Resgate Cósmico da Terra.[5]

Na verdade, o que é que aconteceu a nível do Grande Jogo Cósmico?

Quando ocorreu o clímax do Grande Confronto Cósmico e o Arcanjo Miguel interveio, com a sua frota, por conta própria sem pedir ordem a ninguém, o Chefe (Micah/Sananda/Jesus) foi chamado, pois tinha acontecido algo inédito: um Arcanjo tinha intervido no processo evolutivo da galáxia! É aí que o “Velho” resolve tirar os óculos, largar a bengala e dizer: O que é que está a acontecer? (Risos). Foi naquele momento que Micah se apercebeu da magnitude do que significava ter aberto um espaço chamado Universo de Livre Arbítrio.

Naquela época, Shtareer, que estava no seu Universo, chamado Shinkara, veio trazer a Micah o arquétipo co-criacional de Shinkara, que também era um padrão de dualidade. Só que, para manter o projecto estruturado, esse padrão de dualidade, sob o comando de Shtareer, fora controlado e permitira, no máximo, 15 a 22% de negatividade e competitividade no ADN daqueles seres. Quando Shtareer soube que Satã e Lúcifer estavam a trabalhar com taxas muito superiores, apercebeu-se que a coisa daria problemas. Veio então falar com Micah.

Na verdade, Micah nunca acreditou na maldade de ninguém. Ele não conseguia conceber que um Filho Cósmico chegasse ao ponto de arquitectar uma destruição em massa. Do ponto de vista de um Ser Cósmico daquela grandeza, tal coisa não tem nexo, não faz sentido, não pode existir. É como virem dizer a alguém que o filho é assassino. “Não pode ser! Eu viu-o nascer! Como pode ser um assassino?”… Jesus, naquele plano, não conseguia conceber que um Filho dele chegasse a tal ponto. Quando ocorre a Grande Intervenção de Miguel e outros Seres, gera-se um grande problema porque Micah, não convencido da dualidade, disse:“Eu vou descer e experimentar fisicamente cada um desses (37) mundos, para saber o que é essa dualidade de que vocês tanto falam”. Aí, quem teve um ataque cardíaco – se assim se pode dizer – foi Gabriel e Metraton, porque, nunca na História Cósmica, um co-criador desse gabarito tinha descido para um nível de 3D, usando um corpo biológico humano! Não havia registos disso. Mas Micah disse que ia quebrar a regra porque, antes de criar qualquer sentença, queria entender os seus Filhos. Então, foi criado um Projecto Avatárico em cada um desses mundos.

Foi assim que Sananda desceu em cada um dos 37 planetas; não só na Terra.

O factor inédito deste processo foi que os seres renegados, Anhotak, Satã e seus acólitos, jamais acreditavam que o próprio Pai viesse ao nível físico. Naquela passagem bíblica em que Satã vai ao deserto tentar Jesus, Satã não tinha ideia de quem era aquele ser. Ele supôs que era um Filho da Alta Hierarquia, mas nunca imaginou que fosse o próprio Criador. Então, o encontro de Satã com Sananda, já com a Consciência Crística acoplada (depois do baptismo), significou a quebra de todos os seus paradigmas.

Tal como nós, Jesus viveu na carne os grandes problemas da dualidade, dos quais reclamamos. Mas os Seres Ascensionados têm dificuldade em entender os nossos problemas materiais, porque vibram em outra oitava de energia. Era o que acontecia com Micah até Jesus os experimentar, ao vivo. Como também esteve nos outros 36 planetas, conseguiu entender o que se passava.

Foi aí que Micah criou o conceito da Operação Resgate: todas as almas passariam, a nível cósmico, pela divisão do trigo do joio, sem excepção. A Operação Resgate não seria uma operação física de resgate, mas sim uma libertação energética através da consciência de cada um. Nós vamos elevarmo-nos através da consciência porque Jesus verificou que eram típicos os ciclos de decadência consciencial (como ocorrera na Atlântida e na Lemúria). E porquê?... Porque, quando os Comandos Estelares evacuavam o planeta, voltavam a colocar as pessoas aqui, uns tempos depois… sem terem aprendido nada. Por isso, o projeto foi alterado e vamos ter de despertar a consciência a partir dos próprios processos internos. Por essa razão, na Convergência Harmónica, foi declarado que a Terra não seria aniquilada numa 3ª Guerra Mundial ou num cataclismo, como nós acreditávamos que iria acontecer. Por isso, as profecias chegam até 1985 ou 86 e depois não se concretizaram. Se considerarmos as profecias de Edgar Cayce, a Califórnia era para ter afundado em 1985. Mas não ocorreu. Depois passou para 87, e também não afundou… Voltaram a adiar para 2002, mas ainda está lá, porque o Projecto da Terra foi mudado através da interferência divina do Pai, no caso Micah/Sananda/Jesus. Assim, todos os arquétipos cósmicos dos Arcanjos, Elohins, Serafins, etc., começaram a actuar na reconstrução da malha electromagnética da Terra para recuperar a nossa verdadeira consciência.

Foi aí que eu me deparei com o holograma de Lúcifer de 6D que, até há um ano e meio atrás, não sabia que existia. Eu conheço o Lúcifer original, mas não o do holograma de 6D formatado por nós, pois sempre me projecto acima de 8D. Então, apercebi-me que somos nós que criamos os hologramas, através dos rituais religiosos das nossas fés, no plano astral e telúrico. Foi assim que criámos o diabo, que nunca existiu! Criámos um holograma com chifres, rabo e um tridente na mão… mas esquecemo-nos de que o tridente é um ceptro de poder representativo da Trindade - o Pai/Mãe, o Filho e o Espírito Santo - e não uma ferramenta do diabo. É o símbolo de Neptuno, o Senhor dos Mares. Mas, para nós, simboliza o quê?... O garfinho para espetar no nosso traseiro! (risos). Então, foi através das crenças religiosas que criámos diversas correlações de Lúcifer e tantas outras divindades que, para nós, representam o demónio.

Na verdade, originalmente, esses demónios eram o quê?... Seres do espaço que não respeitavam as três leis máximas. Isso, porém, não significa que sejam demónios; significa que têm uma consciência e uma conduta ética questionável. O problema não são eles, somos nós que, com o nosso fanatismo, criámos aquelas frequências intermediárias negativas. Então, quando, depois de desencarnar, nos manifestamos através do processo mediúnico, começamos a lutar, a ofender, a exigir sangue, a pedir bebida, fumo, etc. Ou seja, criamos um holograma e, quando desencarnamos, encorporamo-lo e ficamos presos a ele. Então, enquanto a nossa consciência não despertar, estamos presos e, consequentemente, vibramos naquela energia. Assim, quando nos manifestamos mediunicamente, demonstramos aquilo que acreditamos ser real.

Esse é o grande problema das Escolas de Magia, da Umbanda e do Candomblé e suas correspondências no mundo inteiro, porque não trabalham no conceito crístico da luz, mas no conceito do dinheiro. Cada um chega lá e paga para que eles dêem um jeito na sua vida, usando, de forma indevida, as entidades ditas demoníacas, para aprisionarem as pessoas nessa linha de trabalho. A questão é que, infelizmente, muitas dessas pessoas alimentam conceitos religiosos e apreciam posturas de intercâmbio com esses “demónios” do outro plano.

E aqui voltamos a falar da energia de Lúcifer.

O que significa “Lúcifer”?... Luz, aquele que é feito de luz!... Então, Lúcifer jamais foi um Anjo Caído. Cometeu os seus erros, concordo, mas não com a intenção destrutiva que as pessoas imaginam. Satã também cometeu erros?... Cometeu. Mas porque foi ensinado no contexto de um padrão evolutivo distinto.

Querem ver um paralelo com os Humanos?... Imaginemos uma criança que, desde pequena, frequenta a Academia Militar. Ela vai ser ensinada a obedecer e a seguir ordens; senão obedecer, castigo! Cresce sob este parâmetro: “O superior mandou, eu cumpro.” Foi o que aconteceu com Satã, que foi criado num ambiente ditatorial. Aquilo que fazia e divulgava era a realidade dele. A maldade primordial não partiu dele; partiu de uma série de situações que Anhotak criou (em Anágora). As pessoas perguntam: “Então, Anhotak é o diabo?”… Digamos que ele foi o pivot da situação, gerada há biliões de anos atrás. Talvez nem ele conhecesse a envergadura do que estava a acontecer e do que daí resultaria. Então, quando foi criado o processo reencarnacional, nós passámos, a nível cósmico, a experimentar várias raças, vários processos evolutivos para entendermos o que fora feito em cada ciclo. Nós temos lembrança plena desse processo reencarnacional extraterreno, das encarnações em várias raças.

Bom, então, quando é que eu conheci esse famoso Lúcifer de 6D (holograma)?

Certa vez, fui chamado para fazer um trabalho no deserto chileno, mais propriamente no Vale da Lua - a cratera de um vulcão extinto, a 2100 metros de altitude - devido aos sacrifícios feitos ali no tempo anterior à chegada dos Espanhóis. Quando as naves começam a aterrar (para colaborar no trabalho), defrontei-me com o holograma 6D de Lúcifer. Como estava sintonizado com Shtareer foi possível fazer o que tinha de ser feito. De facto, no passado, tinham usado o holograma de Lúcifer para os rituais de magia. Então, para poder libertar essas almas, a nível umbralino, eu tinha de fazer a libertação e a reinversão de um dos 7 fractais de Lúcifer. Esse fractal foi aprisionado e entregue a Shtareer e Miguel, tendo sido feita a sua despolarização e a libertação do elemental que fora usado para o criar.

E o que era aquele holograma?... Era o que nós tínhamos usado no passado para os trabalhos de magia negra! Cada oferenda, cada matança feita em nome de Lúcifer e de Satã, criava um holograma energético maligno, aprisionando todas as entidades que tinham morrido em nome daquilo. Então, para poder libertar esses seres, eu tinha de fazer a despolarização daquele arquétipo. Apesar de ter utilizado o meu corpo físico, quem fez o trabalho foi Shtareer, Miguel e o Shiva. Foi interessante porque verifiquei que aquele arquétipo representava as energias de ódio, raiva e poder do holograma terrestre do “diabo”. Mas um holograma só tem o poder que você lhe der, por ter medo. Quando você sai da frequência do medo, aquilo não tem como interagir consigo, porque não passa de uma ilusão. É como se você olhasse para uma grande caricatura do diabo e ficasse com medo. Mas, se souber que se trata de uma caricatura sem qualquer realidade, a coisa não tem como interagir com a tua energia. As pessoas que lidam com essas energias negativas interagem com um diabo aparente; é o seu “diabo interno” que entra naquela sintonia.

Nesse trabalho, apesar de todos os boicotes que tivemos de enfrentar para nos impedir de chegar ao local, libertámos 15.700 almas que estavam dentro daquele vulcão extinto.

Resumindo: através das nossas crenças religiosas, nós fomentámos teluricamente hologramas que passaram a alimentar-se dessas energias. É aí que entram quase todas as linhas ritualistas de magia negra. No passado, fomos obrigados a passar por rituais satânicos. Não deve ter sido nada agradável; daí o nosso medo subconsciente dos nomes de Satã e de Lúcifer. Ou seja, durante o processo histórico extraterrestre e terrestre, nós vivemos etapas onde as ditaduras religiosas criaram impérios pelo medo e pelo poder. E nós, obviamente, adquirimos experiências nada agradáveis. Daí as fobias e traumas em relação a várias divindades religiosas. É aí que ainda existe o nosso diabo interno. Ou seja, as experiências mal sucedidas geraram um arquétipo do diabo, ao qual a Igreja chama Lúcifer e Satã. E nós aceitámos esse dogma! Então, o problema não é Lúcifer ou Satã; é a nossa informação acerca de quem é o diabo na nossa vida. O que é que isso representa na nossa existência? O facto é que, no nosso processo encarnacional, todos nós já tivemos um pé no Umbral!

Como funciona o Umbral?... É bem simples, e é importante saber:

O Universo é regido por vibrações e frequências. Quando nós estamos para desencarnar, o nível de frequência em que nos encontramos determina exactamente o lugar onde vamos parar depois da passagem. Se desencarnamos com ódio, raiva e rancor, em relação a uma situação ou a uma pessoa, cria-se um holograma que se cristaliza do outro lado. Ficamos presos aqui e do outro lado, e entramos para o reino umbralino, que tem vários níveis distintos de energia. Ao contrário, quando, ao desencarnar, nos entregamos a Deus e passamos de alma lavada, porque resolvemos tudo o que havia para rever durante a vida, ou seja, estamos tranquilos, vamos para um padrão mais elevado. Então, quando a pessoa está altamente negativada e numa situação pesada, passa para outro lado num nível muito baixo, e vai ser servido por entidades da mesma frequência, que o vêem como “carne nova”. Essa pessoa passa a ser escravo do “bando” já existente nessa frequência, que é regido por uma entidade negativada.

Então, esses seres umbralinos acreditam piamente que Lúcifer e Satã são o mesmo ser, que é o diabo! De facto, o holograma de Lúcifer, de Satã ou de qualquer um desses seres, existe realmente mas é alimentado por nós. Assim, quando alguém trabalha com o lado negro da Força, na magia negra, para prejudicar os outros, está alimentando seres que vibram naquela energia, que querem alimento, aquele sangue, aquele cadáver para fazerem o que lhes foi pedido.

Temos, portanto, os dois lados; o lado luminoso e o lado demoníaco, que, infelizmente, a maior parte de nós usou nas religiões do passado. Lembrem-se de que chegámos a oferecer a vida de crianças para aplacar a ira de Deus. Então, cultural e religiosamente, todos nós fizemos matanças, porque tal era permitido pelas estruturas religiosas. Todos nós desenvolvemos esse lado obscuro devido à cultura religiosa. Também isso temos de resgatar na nossa consciência planetária que, basicamente, é o respeito pela vida, o respeito pelo próximo. Foi essa falta de respeito que desencadeou a grandes guerras estelares. (Apontando para cima) Isso também é para vocês! Cada vez que desrespeitamos a vida, criamos um carma.

O nosso passado encontra-se com o nosso presente, e a Terra está passando por um salto quântico estelar. Kryon diz que, através do Implante Neutralizador, temos de nos libertar do passado, da raiva, da culpa, do medo. Só que, muitas vezes, o medo provém de experiências extrafísicas de confrontos passados, algo que está armazenado na memória quântica celular. Assim, eu preciso de entender que, no meu passado, por exemplo, devido a uma crença religiosa ou racial, eu achava que tinha de matar todos os Dracos porque eles não prestavam. Ainda hoje, na nossa sociedade terrestre, estamos em guerra por causa de disputas religiosas, sociais, económicas e militares. As pessoas ainda se agridem por cauda de equipes de futebol! Então, o despertar de consciência diz que temos de perdoar. Mas perdoar a quem?... A nós mesmos! E o que é que eu tenho de perdoar a mim mesmo?... Os meus medos, derivados das experiências mal sucedidas do passado.

Escrevi muito sobre Lúcifer para que pudéssemos entender a origem da mentira que foi formatada pelas instituições religiosas sobre ele, sobre Satã e sobre a nossa própria participação nessas situações, quando praticávamos magia negra porque a religião permitia. Libertar o passado é simplesmente entender que vivemos um holograma institucionalizado pelas religiões da época. Mas eu liberto-me quando percebo que esse passado só tem força quando eu o potencializo.

Os Comandos Estelares, os Irmãos do Espaço - Sirianos, Pleiadianos, Canopeanos, Marcianos, Maldekianos, Rigelianos, Veganianos, etc. – todos eles cometeram o mesmo erro: egocentrismo, disputas de poder!... E todos eles estão cobrando o carma, aqui na Terra. Porque é que vocês acham que uma esquadra gigantesca de Sirianos, Pleiadianos, Arcturianos, etc. está ajudando a Humanidade?... Será porque são bonzinhos?... Não!... Eles estão aqui aguardando o nosso regresso, a aprendizagem que temos para lhes entregar, fruto das nossas experiências na Terra. A maior parte dos Irmãos do Espaço, que trabalham conosco na Terra, estão aprendendo através de nós. Como?... Por telemetria sensorial. Imaginemos uma pessoa que seja Pleiadiana. Essa pessoa tem o Comando Pleiadiano acoplado a ela teluricamente, monitorando-a 24 horas por dia. Assim, tudo o que ela experimenta, passa para eles a nível sensorial. Conclusão: todo o Grupo Pleiadiano vai compreender o processo de vida da Terra. Então, eles esperam que essa pessoa saia da Terra e volte para as Plêiades com as experiências que aqui viveu.

Quinto medo – O medo do lado obscuro

Excerto do capítulo 12 (OS Nove Medos) do Livro 9 de Kryon – O Novo Começo.

Agora, vamos abordar aquilo a que se chama «o medo do obscuro». Aqui têm uma informação que sabem intuitivamente: essa coisa de «lado obscuro», pura e simplesmente não existe!

Através de toda a história da Humanidade, em todas as culturas, os Humanos relacionaram a energia da escuridão com outra entidade, outro poder, que, por desejar ascender, tudo faz por agarrá-los e derrubá-los. Ao longo da vossa infância, tiveram medo dos «monstros» e outras entidades que estavam ali para vos «agarrar»[6] Há quem vos tente impingir a ideia de que, quem não pensa de certa forma, será capturado por entidades obscuras ou corre o sério risco de ser «possuído». Isto não é verdade, nem nunca foi! São os Humanos que criam o seu lado obscuro, pois têm o poder da luz, tal como têm o poder da escuridão.

Permitam-me ser mais específico, pois alguns perguntaram: «Kryon, é possível que seres humanos tenham uma vibração tão baixa que lhes permita criar obscuridade noutra pessoa?»

A resposta é. Claro que é possível! Um exemplo: o que é que acontece quando tentam encontrar o caminho para um certo local de uma casa quase às escuras? De repente, a pequena luz que facilitava a deslocação... desaparece.... e logo vocês ficam congelados! Agora, vejam: O que ocorre se o «caminho» que tentam encontrar é a vossa linha de vida? Começam logo a sentir medo, ficam sem se poderem mexer! Sem luz, de repente, começam a perguntar-se que «outra coisa» poderá estar ali... desatam a ouvir coisas... enfim, o medo começa a possuí-los. Mas, afinal, o que é que aconteceu? Bom, a luz, simplesmente, apagou-se; vocês, porém, criaram as condições para que o medo surgisse e fizesse o seu trabalho.

Há Humanos do «outro lado» capazes de vos enviar escuridão? Sim, há... e sempre houve quem estivesse em condições de fazer isso.

Acaso não vos parece natural, meus caros, a capacidade de escolherem entre a escuridão e a luz? Acaso não faz sentido que a consciência se veria limitada se só pudesse enviar luz? No entanto, eis aqui o que também têm que saber – isso não vai continuar durante muito mais tempo! O exemplo que acabámos de dar pode ser horripilante, a menos que quem está dentro na escuridão daquela casa, disponha de uma luz adicional. Reparem, não há igualdade nos matizes de luz; cada um deles é uma energia em si mesmo. Podem manifestar o matiz que desejarem, mas aquele que manifestarem tem a sua própria vibração.

Há muito tempo atrás, informamos que a luz é ativa e que a escuridão é passiva. Os matizes possuem energias vastamente diferentes Quando se encontram numa casa escura e abrem uma porta, não é a escuridão que sai para o exterior; é a luz que entra! O que é que isto ensina em relação ao poder da luz? Ensina que os matizes de nível vibratório mais elevado são mais ativos e mais poderosos; ensina que é mais fácil e mais rápido gerar uma energia positiva. São precisos mais Humanos para criar uma baixa vibração do que para criar uma outra mais elevada.

Considerem uma casa cheia de gente, totalmente às escuras. Se chegar um Trabalhador da Luz, toda a casa se ilumina. Àqueles que têm medo do escuro, vou dizer o seguinte: têm medo, porque ainda não compreenderam o vosso poder de se transformarem num Farol de Luz. Podem estar na situação mais obscura; podem estar rodeados daqueles que – às dezenas e dezenas – tratam de vos envolver em escuridão, no entanto, um só Ser Humano iluminado anulará toda a escuridão!

E vocês admiram-se por nós estarmos tão excitados? É que o matiz «normal» do planeta durante os últimos anos, simplesmente, subiu de nível! Já que, na vossa forma de pensamento linear de 3D, adoram criar plataformas, nós ajudaremos com o seguinte: colectivamente, este planeta decidiu elevar a energia considerada «normal», para outro registo de vibração. É por isso que vocês se encontram aqui, presentemente e a Rede está a ser ajustada.[7] A diferença entre escuridão e luz, assim como o que está de permeio, recebeu um incremento como nunca recebera. E, aqueles que continuam entretidos a criar obscuridade sentem cada vez mais dificuldade em encontrar lugares sem luz. Compreendem isto? Qualquer entidade individual, que se tenha manifestado através do véu, deu-vos esta informação: vocês, queridos Humanos, estão capacitados para criarem qualquer tipo de vibração. Em tempos, quase tudo possuía um lado obscuro, tão escuro que os segredos foram ocultados durante séculos. Acaso notaram, nos últimos tempos, alguma diferença no que toca a conspirações e segredos? De facto, nada disso consegue manter-se escondido durante muito tempo! Pensam que todas as revelações com que se deparam são apenas coincidências? Dado que os níveis mais elevados estão a ser «abertos», segredos e conspirações deixaram de ter a «baixa vibração» para se agarrarem. Não têm, porque vocês iluminam esses «terrenos» com a vossa luz! Isto ocorre na política, nos negócios... até ao nível dos governantes dos países.[8] Agora, o tema é: Responsabilidade. Acabou o tempo dos «escondidinhos». O que isto vos diz sobre a luz e a escuridão? E sobre o equilíbrio no vosso planeta?

Este texto pode ser divulgado livremente

Texto retirado do blog: http://www.forumembuguacu.com.br/viewtopic.php?f=18&t=993

  Site Map